Batman no Túnel do Tempo

batman-no-tunel-do-tempo

O Homem-Morcego é um dos pouquíssimos heróis em que suas aventuras quando transportadas pra outro período histórico ainda consegue manter uma dinâmica interessante.

Durante a década de 90 tivemos várias edições do Morcegão sob o título Túnel do Tempo (ou Elseworlds, no original). Foram: Terror Sagrado, A Guerra de Secessão e Morcego de Aço.

Ainda nesse mesmo estilo também tivemos: Gotham City 1889, Mestre do Futuro, Reinado do Terror, Houdini: A Oficina do Diabo e O Livro dos Mortos.

Só pra constar a clássica Batman: O Filho do Demônio também pertence ao estilo Túnel do Tempo.

Bom, essa minissérie em quatro edições foi lançada em 1995. E se você não conhece terá a oportunidade de saber um pouco sobre elas agora.

Cidadão Wayne

A primeira edição havia sido inspirada no filme Cidadão Kane, um clássico do cinema estrelado e dirigido por Orson Welles, em 1941.

Só pra constar durante a reformulação do Super-Homem feita por John Byrne, a versão Lex Luthor também foi inspirada neste filme.

Voltando, essa aventura tem argumento de Brian Augustyn & Mark Waid e arte de Joe Staton.

Como no filme estamos na década de 40 e logo no início ficamos sabendo que duas pessoas importantes na cidade haviam morrido.

Bruce Wayne, um magnata dono de um jornal muito influente e Harvey Dent, ex-promotor público que defendia a justiça acima de tudo. Ambos despensacaram de um prédio de forma fatídica.

Um detetive conduz a investigação perguntando sobre a vida das vítimas. É quando vemos o depoimento de várias pessoas.

Na Mansão Wayne, Martha conta que desde que seu marido morreu como herói querendo protege-los. Tentou manter a vida do filho longe do legado de seu pai, mas tudo que fez foi em vão.

Numa academia, Ted Grant conta que Bruce e Harvey eram amigos treinavam boxe juntos, porém havia um misto de rivalidade muito grande entre eles.

Depois foi a vez do Capitão aposentado James Gordon explicar como duas pessoas tão díspares agiam praticamente da mesma forma.

Quando estava na ativa, Gordon supervisionou o caso de Joe Chill, assassino de Thomas Wayne. Também esteve no caso da promotoria contra Sal Maroni , um dos mais tumultuados daquela época.

Como na versão original Harvey Dent sofreu um atentado com ácido sendo jogado em seu rosto (deixando-o desfigurado pra sempre). A grande diferença é que Gordon também estava com ele e quase morreu.

Após a tentativa de assassinato que sofreu deixando-o aleijado, Gordon preferiu esquecer tudo que havia presenciado (mais ele sabia da identidade secreta do Batman).

Ao ir embora o detetive ouviu o relato sobre o Batman contado pelo policial que o estava escoltando.

Essa versão do Homem-Morcego agia de forma impiedosa chegando a assassinar os criminosos que estavam no seu caminho.

No relato de Vicky Vale soubemos que Bruce era tão obssessivo quanto Batman e ela acusa seu chefe de ser o herói fantasiado. Fato que nega veemente aproximando ambos que estavam iniciando um romance. A morte de BW deixou Vale bastante arrasada.

No final Harvey Dent e Bruce Wayne se enfrentam no alto de um prédio durante uma tempestade. A luta é tão ferrenha que ambos despencam pra morte.

Quem estava investigando o caso era o detetive novato Dick Grayson e podemos notar que há uma inspiração pra que Batman surja novamente.

Essa é uma das minhas edições preferidas, porque Joe Staton conseguiu imprimir com sua arte todo um clima de filme noir que havia na trama.

Batman.No.Tunel.do.Tempo.O.Ninja

O Ninja

Essa segunda edição tem argumento de Chuck Dixon e arte de Enrique Villagrán.

A história se passa no Japão Feudal e começa com uma versão do Batman trajado de samurai enfrentando vários adversários.

Diversos soldados forma enviados pra matá-lo, mas só conseguiram a muito custo usando rifles. Robin estava distante, porém só chegou a tempo de ouvir o último pedido de seu sensei.

Fazendo-o jurar não matar pra vinga-lo e devotar sua lealdade ao Shogun. Após a morte do seu Mestre, o jovem divaga sobre o passado e ficamos sabendo que o Samurai Morcego servia ao clã Hideyoshi como assassino protegendo-o de seus inimigos.

Devido a morte dele sua lealdade passou a ser de Hideyori, seu filho que enfrentou diversas batalhas e numa delas sucumbiu as forças do Tokugawa Ieyasu.

Ao assumir o poder, Tokugawa fez coisas terríveis com todos os camponeses, samurais e daimyos. Somente Hiedeyori mantinha uma resistência graças aos esforços do Samurai Morcego.

O jovem havia sido criado pelo Samurai para futuramente tomar seu lugar. Pensando até que ele fosse seu pai, mas não era. E antes de morrer pediu que entregasse a Espada Massamune pro Shogun junto com uma mensagem.

Depois de queimar tudo que havia dentro da caverna, o rapaz partiu em sua missão. No caminho foi confrontado por um grupo de guerreiras ninjas que se vestiam no estilo da Mulher-Gato. Formando uma aliança contra um inimigo em comum a Rosa Venenosa.

Ao se dirigir novamente pro Castelo de Osaka sofreu outra emboscada, porém consegue sobreviver devido a sua desteza unido ao árduo treinamento que teve.

O castelo estava cercado com diversos regimentos de soldados de Tokugawa. Tanto a muralha, quanto seus soldados estavam fraquejando e seria apenas questão de horas pra que tomasse conta de tudo.

mesmo em menor número, mas agindo sorrateiramente, Robin consegue entrar no castelo e luta fervorosamente a fim de encontar respostas cruciais pra sua vida.

Ao procurar seu amo, acaba descobrindo ser irmão dele e que tinha direito ao trono mais as ordens era que deveria ter sido morto pelo Samurai Morcego. Só que ao invés de retirar sua vida, criou-o como um filho, protegendo-o e ensinado tudo aquilo que sabia.

Robin teve que lutar contra Hideyori por sua vida tendo que mata-lo (pra se defender). No final ao saber que já não tinha cumprido a promessa do seu Sensei, o Tengu comete harakiri.

O Ninja é uma história bastante sinistra, pois em busca pelo conhecimento de seu passado. Robin encontra algo que nunca deveria saber.

A arte de Enrique Villagrán não é uma das melhores, porém seus detalhes são bem precisos. E também devido as cores escuras de Phil Allen conseguem realmente nos fazer viajar durante a aventura

Fim da primeira parte.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s