Mudanças nos Quadrinhos

riri-williams

Ou a representatividade nos dias atuais

Desde seus primórdios os quadrinhos de super-heróis sempre privilegiaram o estilo homem caucasiano.

Ao longo das décadas aprendemos a gostar de vários personagens que se tornaram mitos e hoje estão nas produções cinematográficas (rendendo milhões).

Como alterar um mercado tão consolidado durante tanto tempo? Os leitores de quadrinhos são ávidos por mudanças desde que não alterem seus personagens preferidos (partindo deste ponto de vista é algo muito complicado de ser feito).

Mais momentos assim sempre estiveram acontecendo nos gibis.

Infelizmente na assim chamada Era de Ouro negros, asiáticos, latinos e mulheres estavam condicionados ao segundo escalão.

Geralmente servindo como alívio cômico, parceiros atrapalhados e mocinhas em apuros nas aventuras.

Tudo começou a ficar diferente durante os anos 70. Época em que o panorama social mundial teve diversos aspectos culturais influentes e importantes.

Seja na música, filmes, moda, seriados, desenhos entre várias outras coisas.

E com os quadrinhos também foi desta maneira, pois sempre demonstra estar acompanhando a atualidade na sociedade do período no qual representa.

A introdução de heróis negros foi algo que promoveu uma certa notoriedade pra minoria que sempre estava sendo posta pra escanteio.

Tanto a Marvel Comics, quanto a DC Comics nos presentearam com alguns personagens. Posso citar: Vykin, o negro, Pantera Negra, Raio Negro, Blade, Falcão, John Stewart, Luke Cage que foram predecessores importantes de alguns heróis que chegaram “recentemente”.

Só pra constar: Senhor Incrível 2, Aço, Superman Val-Zod, Vixen, Tempestade, Super Shock entre outros.

Fui retirar a poeira do passado, pois estamos presenciando mudanças significativas no status quo dos quadrinhos atuais.

Os empresários americanos notaram que as mulheres tornaram-se um ótimo público consumidor (e resolveram reverter isso em verdinhas).

Não posso esqueçer que houve uma mudança significativa na sociedade pra que algo assim viesse acontecer, pois as mulheres estão ocupando cargos importantes em diversos setores públicos.

Um fato evidente é que essa evolução migrou pra cultura pop. Seja pelo estrondoso sucesso de O Despertar da Força que teve como protagonista Daisy Ridley e John Boyega.

Seja por termos uma nova versão dos Caça-Fantasmas, formado por um quarteto feminino. Não tenho nada contra as atrizes, mas prefiro a franquia clássica.

Antes que venham me tacar pedra é somente, por que cresci vendo o grupo original. Eles fazem parte da minha memória afetiva e de um momento importante da minha vida quando estava começando a me reconhecer como pessoa (só isso).

Desejo que essa franquia decole e que haja mais destaque feminino nas telonas. Logo teremos o longa da Mulher-Maravilha e também da Miss Marvel (provando que essa tendência do mercado veio pra realmente ficar).

Pra mim já estava na hora disso deslanchar, pois a influência feminina tem se mostrado mais forte desde que Scarlett Yohansson vestiu o traje de Viúva Negra.

Assim como temos milhares de mulheres e adolescentes que estão sempre demonstrando suas ideias nos blogs comentando sobre os mais variados assuntos tipo: moda, relacionamento, filmes, livros, quadrinhos, viajens etc e tal (e indo assistir as adaptações pra cinema).

Além disso há leitores de várias etnias ao redo do mundo que no mínimo devia chover dezenas de reclamações quanto a representatividade nos gibis.

Vivemos num mundo globalizado e não há mais como negar essa realidade.

Então, comprovando que sempre está determinada a ter mudanças que reflitam a sociedade na qual vivemos a Marvel Comics ousou mais uma vez.

A ótima iniciativa foi retirar mais um dos grandes ícones masculinos da editora o Homem de Ferro.

Tony Stark irá se aposentar deixando sua armadura blindada pra Riri Williams, uma afro-americana que também é dona de uma inteligência fora do comum.

A pesonagem é uma adolescente que está estudando no Massachusetts Institute of Technology, uma universidade de nível altíssimo que ensina ciência aplicada e engenharia.

A genialidade da moça irá chamar a atenção de TS quando descobrir que um aluno do MIT fez engenharia reversa de suas velhas armaduras sozinha no seu quarto do dormitório.

A ideia que vai dar uma modernizada na mitologia do herói veio do escritor Brian Michael Bendis (a introdução da personagem vestindo o traje será pós Civil War 2).

Além desse acontecimento podemos notar que a Casa de Ideias atualmente está demonstrando uma diversidade maior na etnia de seus personagens em suas revistas.

Digo até que está priorizando pra que haja mais heróis que são considerados minorias sociais sendo mostrados na indústria dos comics. Como citei antes não foi algo que aconteceu de uma hora pra outra, mas só que agora isso está mais evidente.

Seja pela introdução de Kamala Khan, uma adolescente de origem paquistanesa e religião muçulmana que se tornou Miss Marvel.

Numa noite, a menina foi exposta a Névoa Terrígena que foi liberada pelo Raio Negro, rei dos Inumanos (ela ficou inconsciente devido a exposição).

Kamala é fã de Carol Danvers que havia adotado o nome de Capitã Marvel e resolveu pegar o antigo título da heroína. Além de ser transmorfa seus poderes incluem alongamento, bioluminescência, fator de cura e alteração de tamanho.

Vale lembrar também que houve um rebuliço danado na web quando foi anunciado que Thor seria uma mulher (confira aqui).

Algo que também gostei foi termos Sam Wilson ostentando o escudo de Capitão América. Provando mais uma vez que aquele velho esquema de hegemonia com apenas heróis caucasianos está indo pelo ralo.

Não caros, amigos sei que eles ainda vendem bastante e sem sombra de dúvida foram os heróis que aprendemos a gostar, mas a intenção básica dos super-heróis é inspirar a todos nós.

No entanto, pra mim se mostrarem mais heróis que tenham a mesma cor de pele que a minha será um motivo melhor pra continuar acompanhando os gibis (creio que milhares de leitores pensam da mesma forma).

Voltando, outro herói que deram destaque foi Miles Morales que surgiu atrelado ao Universo Ultimate. Fiquei muito feliz ao descobrir que Morales agora está no universo regular da editora e principalmente atuando como Homem-Aranha.

Miles ganhou relevância no Universo Ultimate após a morte de Peter Parker (de sua linha temporal). Havia diversos comentários ruins quando surgiu por causa de sua cor, mas ao longo do tempo suas histórias provaram serem ótimas.

Vale a pena notar que Miles age sob a tutela de Nick Fury (tendo até ajuda dos Supremos em algumas missões).

Bom, na editora temos uma equipe de Vingadores formada somente por mulheres (Secret Wars – A-Force).

Nela temos as heroínas: Mulher-Hulk, Capitã Marvel, Irmã Grimm, Thor, Cristal e Singularidade.

A parte interessante é que Singularidade era uma entidade cósmica disforme e ao assumir um gênero (escolhe ser uma mulher).

Seus poderes incluem inteligência fora do comum, controle de gravidade, manipulação dimensional, teleporte, explosão de energia, voo entre outros.

Não vou entrar a fundo no assunto, porque eu não conheço tanto assim. Mais é importante notar que a Casa de Ideias está firme em demonstrar um apoderamento feminino.

E logicamente eu estou adorando que haja um pensamento destes atualizando pro século XXI.

Na Marvel o Hulk também mudou de alter ego, pois temos Amadeus Cho amigo de Banner tranformando-se no herói.

Amadeus é um coreano que foi considerado por Reed Richards como a sétima pessoa mais inteligente do mundo. Seu meio de transporte é uma lambreta e tem um coiote como animal de estimação.

Cho ajudou a Mulher-Hulk revelando-lhe algumas verdades sobre os Iluminati. Quando, Jen foi retirada da SHIELD, ambos foram atacados pelo Dr. Samson que havia sido enviado por Reed pra capturar a dupla.

Pouco tempo depois, quando estava fugindo o rapaz havia se unido ao Hércules e Arcanjo. E havia entrado também pros Renegados equipe que se formou para auxiliar o Hulk em sua Guerra.

Na Distinta Concorrente houve um grande rebuliço ao sumirem com Wally West que era ruivo (e depois introduziram um afro-americano em seu lugar).

Durante a segunda temporada do seriado do velocista Keiynan Lonsdale interpretou muito bem Wally e todos ficaram se perguntando quando assumiria um uniforme.

Na web está rolando a notícia que já será nesta terceira temporada que veremos tal fato.

Posso citar ainda na DC, Jessica Cruz que era a heroína latino america Anel Energético que se tornou há pouco tempo atrás membro da Tropa dos Lanterna Verdes.

Quando estava agindo com Ciborgue, Anel Energético foi atacada por Volthoom que assumiu seu corpo. Ao mesmo tempo, o Corredor Negro iria matar o Flash, porém Jessica salta pra salvar o velocista.

Isso faz com que o Corredor sacrifique Volthoom e devido ao que fez ela demonstra estar apta pra agir como Lanterna Verde. O negócio interessante é que Jessica Cruz tornou-se historicamente a primeira Lanterna Verde feminina da Terra (um feito e tanto).

Pra fechar, nessa equipe também temos Simon Baz, um libanês que conseguiu seu anel de poder de uma forma pejorativa. Ao entrar em desepero, pois estava desempregado acabou roubando um carro. Esse automóvel estava cheio de explosivos e Simon foi preso como terrorista (seu ato de extrema coragem lhe rendeu um posto como LV).

Esses foram alguns personagens que conheço que estão mudando o panorama dos gibis que lemos, mas se houver algum outro deixem algum comentário.

Fico por aqui.

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios