Liga da Justiça: Outro Prego

Justice_League_Nail

Continuação da edição anterior, Justice League of America: Another Nail também foi uma trabalho da dupla Alan Davis responsável pela arte e roteiro e Mark Farmer que ficou com a arte-final.

Foi uma minissérie em três edições lançada pela Panini Comics, em 2005.

A história já começa de forma empolgante, pois devido aos acontecimentos da primeira aventura. Nova Gênese e Apokolips estão deflagrando uma guerra avassaladora.

Os Guardiões do Universo convocaram toda a Tropa dos Lanternas Verdes pra minimizar os problemas do holocausto, mas não adiantou nada.

Darkseid age de maneira implacável, porque quando o campo de força estava envolvendo a Terra (ele já estava pondo em prática seu plano nefasto).

Mais ao notar que sua derrota será iminente Darkseid utiliza a Sina Ômega, uma máquina de destruição vasta, suprema e de proporções inimagináveis.

A Sina Ômega é um tipo de ameba de energia e sua onda de explosão se torna tão abrangente que atingiria toda existência no Multiverso.

O Senhor Milagre e Grande Barda haviam sido capturados pelo Senhor de Apokolips e após ser torturado a exaustão por Desaad. Scott morre (deixando Barda enfurecida e inconsolável).

Mais o Senhor Milagre numa fuga incrível consegue esconder sua alma numa caixa materna e após Barda conseguir um anel de LV atua em conjunto com sua esposa.

Então, Hal, Barry e Ray após um ano começam a investigar os fatos acontecidos em Apokolips. Só ficamos sabendo que há algo sinistro acontecendo quando o Vingador Fantasma está agindo de sua forma enigmática.

Como não poderia deixa de acontecer a situação fica ainda pior, pois Batman ouve a risada do Coringa ameaçando-o. Selina até pensou que Bruce estava enlouquecendo, mas depois que o Desafiador surge assustado sabemos que até o plano astral estava sendo ameaçado.

Acompanhamos o Palhaço do Crime retornando do Tártaro e temos o confronto definitivo dele contra o Morcegóide.

Outro aspecto importante  desta história é que também destaca vários personagens da editora como: Orquídea Negra, Rastejante, Rapina e Columba, Nuclear, Halo, Etrigan, Sindicato do Crime entre outros.

Tanto a Patrulha do Destino, quanto os Renegados novamente desempenham uma importante função na trama.

Bom, apesar de eu particularmente não gostar mais das crises da editora. Notamos que há uma enorme crise temporal desestabilizando tudo.

Vemos isso quando Diana e Arthur vão parar na época dos dinossauros. E também quando Barry e Ray fogem do Sindicato do Crime através do Multiverso que está com problemas em todas as suas realidades.

Mais não tenho como negar que a maneira de como vemos isso acontecendo é empolgante.

A parte engraçada foi quando Martha tentou arranjar um disfarce pro Clark, pois estava diferentão. Só que Lois chegou e deu aquele visual que estamos acostumados a vê-lo. Mesmo diante de tantos problemas o relacionamento entre eles rola.

Aqui presenciamos o Superman realmente aceitar as características marcantes que simboliza e o definem a verdade, justiça e também a esperança.

Mais quem rouba cena é Oliver Queen que estava quase morrendo e faz algo surpreendente (que obviamente não vou contar).

Como na edição anterior a arte de Alan Davis consegue contribuir bastante com nossa leitura. Sua participação no roteiro foi eficiente prendendo minha atenção até a última  página.

Sem sombra de dúvidas sua arte de unir diversos heróis na página me lembrou muito George Pérez (mais a melhor parte é que faz isso com seu próprio estilo).

Quero acrescetar que as cores de John Kalisz mantém o excelente nível da edição anterior.

Liga da Justiça da América: Outro Prego é uma história tão boa que ao chegar no final deixa aquela nítida sensação de querer mais e mais e mais. Fazendo-nos não querer nunca sair daquela aventura incrível.

Até o próximo texto.

 

 

 

 

 

 

Anúncios