DC Comics Heroes – Segunda Parte

new-gods

Conheça mais alguns personagens secundários que surgem em alguma história de vez em quando.

Novos Deuses – The New Gods

Foram criados por Jack Kirby surgindo na edição The New Gods # 1, em 1971.

Dizem as lendas que esta história começou quando o ilustre Jack Kirby (brigou com Stan Lee) saindo da Marvel Comics indo direto trabalhar na Distinta Concorrente, em 1970.

Como estamos cansados de saber Jack Kirby co-criou alguns dos maiores personagens da Casa de Ideias lá nos anos 1960. Basta apenas lembrar do Capitão América e também do Quarteto Fantástico, mas sua criação mais famosa mesmo é o Quarto Mundo.

Onde temos personagens como Pai Celestial, Órion, Senhor Milagre, Grande Barda, Darkseid entre tantos outros.

Só por curiosidade tanto Nova Gênese quanto Apokolips são habitados pelos Novos Deuses.

Durante o Ragnarok, os velhos deuses morreram e o mundo no qual viviam foi divido em dois. Um dos planetas ficou conhecido como Nova Gênese no qual residiam deuses bons (governado por Izaya, o Pai Celestial).

Enquanto no outro planeta batizado de Apokolips comandado por Darkseid (era habitado por deuses ruins).

Como curiosidade todos os membros dos Novos Deuses são imortais.  Sua característica mais peculiar é que demonstram inteligência, superforça e resistência extremamente acima do normal (e mesmo assim ainda podem morrer).

Os principais Novos Deuses são: Pai Celestial, Magtron, Takion, Jezebelle, Metron, Grande Barda, Sr. Milagre, Forageador, Órion, Povo da Eternidade, Homem Infinito e Corredor Negro.

Em Apokolips temos: Darkseid, Desaad, Vovó Bondade, Fúrias Femininas, Kalibak, Virman Vunderbarr, Mantis, Himon, Doutor Bedlam, Steppenwolf, Kanto e Glorioso Godfrey.

Uma das coisas mais interessante dos Novos Deuses é sua tecnologia avançadíssima, pois a única forma de chegar nesta dimensão é através do Tubo de Explosão.

A Caixa Materna (que infelizmente traduziram como Caixa-Mãe) é um computador vivo que está vinculada com seu usuário se comunicando psiquicamente com ele.

Foram criadas por Himon, morador de Apokolips que não é maléfico (talvez seja o único).

A melhor parte é que a Caixa pode executar diversas funções como: executar cálculos matemáticos, projetar energia magnética, criar campos de força, se fortalecem quando expostas à radiação, criar “eletroteias” para aprisionar inimigos e rearranjar a estrutura da matéria (seja orgânica ou não).

Fora tudo isso as caixas também são capazes de teleportar, porém os habitantes de Nova Gênese preferem utilizar Tubos de Explosão pra isso.

Outro conceito interessante do Quarto Mundo é A Fonte, uma entidade responsável por criar todo o universo DC e todos que nele habitam. Somente o Pai Celestial mantém contato telepático direto com a fonte (comandando NG de acordo com os conselhos recebidos).

A Fonte é sempre mostrada como uma Muralha infinita formada por corpos dos Deuses mortos há séculos (quando um deles morre retorna pra fonte).

Na web temos notícias que haverá um filme dos Novos Deuses dirigido por Ava DuVernay, porém ainda não houve nenhuma previsão de estreia.

challengers of the unknown

Desafiadores do Desconhecido – Challengers of the Unknown

A equipe de aventureiros foi criada por Jack Kirby surgindo na edição Showcase # 6, em 1957. Há fontes que também creditam Dave Wood como co-criador do grupo.

Um grupo de amigos sobreviveram milagrosamente após um acidente de avião. Foram eles Ace Morgan, Prof. Haley, Ruivo Ryan e Rocky Davis (decidiram se unir pra qualquer situação na qual  houvesse perigo).

Dizem as lendas que Kirby fez a mesma coisa com o Quarteto Fantástico pouco tempo depois.

O QG do grupo fica nas Montanhas Rochosas e suas missões geralmente são uma ordem direta do Pentágono.

As aventuras do grupo envolviam cientistas loucos, alienígenas, ladrões comuns, robôs, assuntos paranormais, viagens pelo espaço, pelo tempo e até outras dimensões.

Dra. June Robbins, uma arqueóloga e criadora da inteligência artificial Ultivac entrou pra equipe como agente honorária, mas permaneceu no grupo durante  a maior parte de sua carreira.

Também constam como integrantes do grupo Dra. June Walker e Martin Ryan. Ao longo das décadas agiram em parceria com: Desafiador, Patrulha do Destino, Monstro do Pântano, Jonny Double e Demônios do Mar.

Houveram duas versões alternativas dos Desafiadores do Desconhecido. A primeira surgiu em 1996 nela tínhamos: Kenn Kawa, um japonês (designer de jogos), Clay Brody, um piloto de  carro de corrida, Brenda Ruskin, uma cientista e Marlon Corbet o piloto do avião que caiu.

A segunda versão esteve como roteiro e arte de Howard Chaikin, sendo lançada em 2004. Ao invés do acidente de avião a equipe sobreviveu a um atentado terrorista, em Long Beach.

Nesta formação tínhamos: Zach Dyamond, Tessa Crowne, Rydell Starr, Holden Crosse e Kendra Harte.

Os Desafiadores do Desconhecido fazem aparição na série animada do Morcegão durante o episódio “Revenge of the Reach” investigando um meteoro que caiu numa ilha.

Só pra constar, na animação Liga da Justiça: A Nova Fronteira também temos a participação dos integrantes da equipe.

vingador-fantasma

Vingador Fantasma – Phantom Stranger

É um dos heróis mais misteriosos da editora surgindo apenas em momentos decisivos e sinceramente suas aparições são de suma importância pra sobrevivência da humanidade.

Foi criado por John Broome, Sy Barry e Carmine Infantino surgindo na edição Phantom Stranger # 1, em 1952.

O herói é integrante da Liga da Justiça (um membro reserva), mas não sei afirmar quando participou da equipe.

Em suas aventuras há alguma pergunta importante feita logo no início e somente no término vemos um ensinamento moral ou espiritual.

Também conhecido como O Caminhante Cinzento, O Espírito da Humanidade e  Aquele sem Irmãos. Existem várias origens pro personagem, mas não sei se qualquer uma delas esteja correta.

Há lendas que dizem que o Vingador talvez seja o Judeu Errante, uma diz que talvez tenha sido um anjo caído que resolveu ficar de fora da guerra Céu contra Inferno, outra afirma que perdeu seu filho no extermínio de crianças feito pra matar Jesus quando era bêbe.

Mais um conta que era um cientista que viveu na realidade anterior ao Big Bang sobrevivendo a explosão que deu origem ao universo atual (do meu ponto de vista isso só deixa o herói mais interessante).

Fora isso além de não envelhecer podemos notar que herói tem vários poderes místicos que incluem habilidade de dispersar ilusões,projeção de rajadas de energia, força, resistência (física e mística), teletransporte (espacial, temporal e dimensional).

Apesar de ter todos esses poderes o Fantasma geralmente prefere não usa-los, pois parece não querer interferir na ordem natural das coisas. Talvez tenha algum tipo de temor quanto a isso e agindo apenas como conselheiro.

O herói estava na Brigada dos Encapotados e ensinou fundamentos de magia pra Tim Hunter (Livros da Magia).

O Vingador já ajudou o Batman (contra um mestre do vodu), Superman (detendo um cemitério com criminosos zumbis), Monstro do Pântano (evitando o Mal de entrar no Paraíso) entre outros.

Na série animada do Morcegão, o Vingador Fantasma aparece duas vezes. A primeira é no episódio “Chill of The Nigth” quando confronta o passado com o assassinato de seus pais.

E a segunda aparição foi na aventura “Mitefall“, pois aquele duende que se diz um fã maníaco do Homem-Morcego apronta novamente.

Na aventura Hipertempo que faz parte do universo do Reino do Amanhã. O herói age como arauto da Quintessência, um grupo formado por vários deuses da editora.

firehawk

Águia Flamejante – Firehawk

Foi criada por Gerry Conway e Pat Broderick surgindo pela primeira vez como Lorraine Reilly no gibi The Fury of Firestorm # 1, em 1982.

E como Firehawk na edição The Fury of Firestorm # 17, em 1983.

Lorraine é filha do Senador Walter Reilly que havia sido sequestrada por Multiplex. O mandante do crime foi Henry Hewitt, um inimigo de seu pai.

Lorraine havia sido colocada numa câmara sendo privada de sensações por bastante tempo (e perdeu sua força de vontade). Então, sofreu uma explosão que ativou seu gene meta-humano concedendo-lhe poderes similares ao do herói Nuclear.

Águia Flamejante pode se transformar apenas usando seu pensamento (dessa mesma forma também consegue mudar seu uniforme alterando as moléculas). Ainda consegue criar e projetar energia (gerando explosões) e canalizando a energia nuclear de seu corpo pra voar.

A heroína usa asas que auxiliam seu voo, no entanto “talvez” não haja necessidade delas (faz isso apenas porque gosta).

Inicialmente, Lorraine havia perdido sua memória chegando a enfrentar o Nuclear. Só que o herói ajudou-a recuperar suas lembranças. Depois que se uniram enfrentando um inimigo em comum tornaram-se parceiros contra o crime. Lorraine teve um relacionamento amoroso com Ronnie Raymond (que não durou muito).

Daí em diante ingressou na comunidade heroica vivendo várias aventuras. Águia Flamejante esteve na Crise dos anos 80, porém não fez nada de muito importante.

Mais durante a Crise de Identidade ela renunciou a vida de super-herói e ingressou na política tornando-se Senadora.

Só que ela havia sido contratada pelo pai de Ronnie pra investigar Jason Rusch, o novo Nuclear. Apurando pra saber se havia alguma conexão, pois Ronnie havia morrido durante a Crise de Identidade.

Lorraine acabou se tornando mentora de Jason sugerindo pra Donna Troy colocá-lo no grupo que havia se formado durante aquele período. Água Flamejante participou da Liga Justiça na formação dos Novos 52 e no ano seguinte Jason e Lorraine se fundiram.

Formando assim o Nuclear quando estão unidos, Jason pode usar os poderes dela (junto com os seus). Ao se separarem, Lorraine ainda pode usar seus poderes normalmente, porém se a distância for maior que um quilômetro há problemas gravíssimos.

Enquanto, Lorraine perde seus poderes, Jason fica incontrolável manifestando diversas explosões. Porém o Doutor Stein arranjou uma maneira de reverter o problema.

Espero que tenham gostado e relembre aqui do texto anterior.

 

Anúncios

Liga da Justiça: Outro Prego

Justice_League_Nail

Continuação da edição anterior, Justice League of America: Another Nail também foi uma trabalho da dupla Alan Davis responsável pela arte e roteiro e Mark Farmer que ficou com a arte-final.

Foi uma minissérie em três edições lançada pela Panini Comics, em 2005.

A história já começa de forma empolgante, pois devido aos acontecimentos da primeira aventura. Nova Gênese e Apokolips estão deflagrando uma guerra avassaladora.

Os Guardiões do Universo convocaram toda a Tropa dos Lanternas Verdes pra minimizar os problemas do holocausto, mas não adiantou nada.

Darkseid age de maneira implacável, porque quando o campo de força estava envolvendo a Terra (ele já estava pondo em prática seu plano nefasto).

Mais ao notar que sua derrota será iminente Darkseid utiliza a Sina Ômega, uma máquina de destruição vasta, suprema e de proporções inimagináveis.

A Sina Ômega é um tipo de ameba de energia e sua onda de explosão se torna tão abrangente que atingiria toda existência no Multiverso.

O Senhor Milagre e Grande Barda haviam sido capturados pelo Senhor de Apokolips e após ser torturado a exaustão por Desaad. Scott morre (deixando Barda enfurecida e inconsolável).

Mais o Senhor Milagre numa fuga incrível consegue esconder sua alma numa caixa materna e após Barda conseguir um anel de LV atua em conjunto com sua esposa.

Então, Hal, Barry e Ray após um ano começam a investigar os fatos acontecidos em Apokolips. Só ficamos sabendo que há algo sinistro acontecendo quando o Vingador Fantasma está agindo de sua forma enigmática.

Como não poderia deixa de acontecer a situação fica ainda pior, pois Batman ouve a risada do Coringa ameaçando-o. Selina até pensou que Bruce estava enlouquecendo, mas depois que o Desafiador surge assustado sabemos que até o plano astral estava sendo ameaçado.

Acompanhamos o Palhaço do Crime retornando do Tártaro e temos o confronto definitivo dele contra o Morcegóide.

Outro aspecto importante  desta história é que também destaca vários personagens da editora como: Orquídea Negra, Rastejante, Rapina e Columba, Nuclear, Halo, Etrigan, Sindicato do Crime entre outros.

Tanto a Patrulha do Destino, quanto os Renegados novamente desempenham uma importante função na trama.

Bom, apesar de eu particularmente não gostar mais das crises da editora. Notamos que há uma enorme crise temporal desestabilizando tudo.

Vemos isso quando Diana e Arthur vão parar na época dos dinossauros. E também quando Barry e Ray fogem do Sindicato do Crime através do Multiverso que está com problemas em todas as suas realidades.

Mais não tenho como negar que a maneira de como vemos isso acontecendo é empolgante.

A parte engraçada foi quando Martha tentou arranjar um disfarce pro Clark, pois estava diferentão. Só que Lois chegou e deu aquele visual que estamos acostumados a vê-lo. Mesmo diante de tantos problemas o relacionamento entre eles rola.

Aqui presenciamos o Superman realmente aceitar as características marcantes que simboliza e o definem a verdade, justiça e também a esperança.

Mais quem rouba cena é Oliver Queen que estava quase morrendo e faz algo surpreendente (que obviamente não vou contar).

Como na edição anterior a arte de Alan Davis consegue contribuir bastante com nossa leitura. Sua participação no roteiro foi eficiente prendendo minha atenção até a última  página.

Sem sombra de dúvidas sua arte de unir diversos heróis na página me lembrou muito George Pérez (mais a melhor parte é que faz isso com seu próprio estilo).

Quero acrescetar que as cores de John Kalisz mantém o excelente nível da edição anterior.

Liga da Justiça da América: Outro Prego é uma história tão boa que ao chegar no final deixa aquela nítida sensação de querer mais e mais e mais. Fazendo-nos não querer nunca sair daquela aventura incrível.

Até o próximo texto.

 

 

 

 

 

 

A Origem de Darkseid

darkseid

Assim como Thanos está para maior vilão espacial da Marvel Comics também temos Darkseid desfrutando do mesmo status na DC. A tradução de dark side pra nós brasileiros é um anagrama para lado negro.

Criado pelo mestre Jack Kirby sua primeira aparição foi no gibi Superman’s Pal Jimmy Olsen # 13, nos anos 1970.

Darkseid é um dos principais inimigos do Superman e já apareceu tanto na ótima série animada do Azulão (1996) como também no excelente desenho da Liga da Justiça Sem Limites (2001).

O senhor do mal é ardiloso, inteligente, cientista formidável, grande estrategista, cruel e manipulador. Pra piorar consegue disparar de seus olhos o assustador efeito ômega, uma rajada de energia que pode ir pra qualquer direção.

Fora tudo isso ainda possui agilidade, força, velocidade, resistência e sentidos absurdamente maiores do que nós meros mortais.

O maior desejo de Darkseid é encontrar a Equação Antivida algo que lhe daria o poder para dominar tudo aquilo que desejar.

No último episódio da série animada da Liga, Lex Luthor encontra a Equação Antivida atravessando a Muralha da Fonte, uma barreira que fica no limite do universo (provando ser tão inteligente quanto Metron, também dos Novos Deuses).

Depois da muralha encontra-se a “fonte”, a essência cósmica de tudo que existe (“parece” que ambos morrem).

Só pra constar a luta entre o Azulão e o tirano espacial é fantástica com o herói usando absurdamente toda sua força.

Voltando, Darkseid é pai do guerreiro esquentadinho Órion, do idiota do Kalibake e do estranho Grayven. Uma antiga profecia diz que Dakseid será morto por seu filho Órion.

Regendo de forma implacável o planeta Apokolips, Darkseid ainda conta com vários asseclas como: Desaad (seu maior puxa-saco), Parademônios, Vovó Bondade, as Fúrias Femininas, Virman Vundabar, Doutor Bedlam entre outros.

A capital deste reino sombrio chama-se Armagetto, um dos lugares mais lúgubres de todo universo.

Bom, A Origem de Dakseid teve roteiro e arte do grande John Byrne. E sua história foi dividida em três partes nas edições de DC Millenium # 4, 5 e 6, em 2002.

“Lealdade em Apokolips”, mostra como começou a amizade entre Izaya e Drax.

Ambos serão futuramente conhecidos como Pai Celestial e Darkseid. Eles estavam disputando uma queda de braço num bar.

Os guerreiros eram grandes amigos, mas de planetas que travaram diversas guerras no passado Nova Gênese e Apokolips. Durante uma cavalgada ao luar, Drax e Izaya selaram um acordo de paz e esperança pro futuro de seus mundos.

Na segunda parte temos “Mães e Filhos”, Drax é o filho primogênito da Rainha Heggra. Ela desdenha do acordo feito pelo filho e Lorde Uxas, seu filho mais novo destila seu veneno contra Drax (eles querem que as épocas das guerras voltem).

Uxas está casado com Tigra contra sua vontade e Drax não quis ficar com nenhuma mulher que sua mãe havia escolhido pra ser sua consorte.

A rainha provoca seu filho perguntando quando arranjará uma esposa e também fará seu rito de passagem para assumir seu poder divino e novo nome.

Drax teme o que acontecerá com ele ao tentar usar a Força Ômega, um poder que já destruiu vários homens que a tentaram dominar. Então, Desaad convence, Drax a escolher um dos nomes antigos do Tomo Sagrado deles, Darkseid.

Na continuação temos “Alfa e Ômega” com Drax se preparando para entrar na Fossa do Infinito afim de ser transfigurado. Sua última conversa com Uxas demonstra que seu irmão mais novo adora manipular os outros.

Quando, Drax está recebendo a energia Uxas finaliza seu plano pra mata-lo, pois queria adquiri o poder supremo em seu lugar. Mais sua intervenção acaba liberando uma força inconcebível (a história termina com Desaad boquiaberto).

A terceira parte mostra, “O Mortífero Darkseid”, envolto num traje de contensão o vilão nasce e na presença da Rainha Heggra já começa a demonstrar suas intenções.

Só que a regente demonstra “saber” que se trata de Uxas, pois ridiculariza Drax chamando-o de pacifista.

A parte interessante é que tanto Drax quanto Uxas desfrutaram da Força Ômega, mas Darkseid emerge do Fosso do Infinito e não sabemos qual deles realmente sobreviveu (só podemos supor que seja Drax).

Após conversar com sua mãe, Darkseid vai até o quarto de Tigra, sua esposa descobrindo que ela está grávida.

Haverá um tratado de paz entre Nova Gênese e Apokolips sendo que seus filhos serão trocados. Órion, filho de Darkseid irá ser criado pelo Pai Celestial sendo bem tratado (enquanto o Senhor Milagre, filho do Pai Celestial sofrerá pelas mãos da Vovó Bondade).

A história é curta ficando diluída entre as edições, porém não deixa de ser interessante saber como surgiu um dos maiores vilões da DC Comics.

Um aspecto interessante desta trama é mostrar que Darkseid já teve uma aparência humana sendo bastante diferente da forma rochosa que estamos acostumados a ve-lo.