Liga da Justiça: Escada Para o Céu

liga-justiça-escada-ceu

É uma edição especial com roteiro de Mark Waid, arte de Bryan Hitch, cores de Laura Depuy e foi lançada pela Painini Comics, em 2002.

Nossa aventura, começa com Átomo auxiliando o Caçador de Marte a imunizar seu corpo, mas de repente algo inesperado acontece.

E presenciamos uma situação impressionante, pois a estrutura toda está tremendo (lembrando que estão no espaço).

Bom, os heróis se encontram na base lunar da LJA que nesse período era composta por: Superman, Mulher-Maravilha, Flash, Lanterna Verde (Kyle Rayner), Ajax, Batman, Aço, Aquaman e Homem-Borracha.

Logo, o Super capta com sua visão uma nave, no entanto é tão absurdamente gigantesca que não há como medir.

A situação fica estranha já que nosso planeta foi retirado do lugar deixando toda a equipe sem reação por alguns instantes. Os heróis mais fortes da Liga Kal, Diana e Arthur tentaram retirar o objeto que estava cravado na Terra, porém suas tentativas foram em vão.

Então, Ajax entra em contato telepático com todos mostrando a estrutura mais devido a complexidade do lugar por ser tão vasto (eles ficaram com uma baita dor de cabeça).

Na verdade vários planetas havia sido retirados de suas órbitas e assim unidos tínhamos uma formidável cadeia de DNA.

A tecnologia usada é tão avançada que mesmo fora de seus lugares esses planetas se mantinham estáveis.

Diante de algo totalmente inexplicável e sentindo-se como um grão de areia no deserto a Liga da Justiça age.

Só que Ajax foi atacado por um alienígena vermelho que deseja destruir o maquinário da estrutura. Lançando-o pra bem longe numa explosão e ao cair num tipo de líquido azul foi salvo pelo Aquaman (que descobriu que aquilo também tratava-se de uma raça alienígena).

Essa raça havia surgido segundos após o Big Bang, através do tempo solitariamente vagou pelo cosmo pesquisando tudo e adquirindo apenas conhecimento.

Mais como aquilo que tem início, um dia chegará ao fim. Agora é o momento de partirem e usarem todo seu conhecimento pra procurar em outras culturas o significado da morte e do paraíso (sua intenção é construir o local definitivo pro descanso deles).

Bruce estava resolvendo um crime em Gotham e por causa disso ficou de fora da viagem ao espaço.

Sua missão era coordenar outras equipes de heróis pra conter a histeria mundial dado a um acontecimento tão inesperado. E mesmo assim ele ainda agia dando conselhos táticos pra Liga.

A equipe se dispersou pra conter os problemas em diversos planetas. E procurando os agentes alienígenas temos: Flash e Aquaman no planeta dos durlanianos, Aço e Homem-Borracha em Collu.

Depois Átomo e Aquaman em Rann onde são auxiliados por Adam Strange, Superman e Aço em Thanagar, Diana e Kyle com os khundios e por último Superman e Átomo na Quinta Dimensão.

Todas essas culturas alienígenas tem uma visão diferente da morte para chegar ao paraíso. É claro que as duplas sempre encontram algum conflito, mas conseguem resolver o problema.

Enquanto isso ficamos sabendo como cada um dos integrantes da Liga acreditam como é o pós vida.

Liga da Justiça: Escada Para o Céu é uma das melhores histórias da equipe que eu já tive o prazer de ler.

Seja pelo conceito fantástico que o roteiro bem elaborado de Mark Waid nos apresenta. Já que todos em algum momento pensamos como será quando morrermos (cada pessoa tem sua crença desse momento).

Seja pela arte hiper realista de Bryan Hitch que nos ajuda de maneira eficaz a viajar pelas páginas dessa aventura.

Ou também pelas cores de Laura Depuy emoldurando as cenas e deixando-as praticamente perfeitas pelos contrastes que vemos.

Afirmo que depois que você ler essa edição nunca mais conseguirá esquecê-la .

Fim por enquanto.

 

 

 

Anúncios

Momento Crítico

melhores-mundo-29

É um aventura com argumento de Grant Morrison, arte de Howard Porter e cores de Pat Garrahy que foi publicada no gibi Os Melhores do Mundo #29, em 2000.

Nesse período a Liga era formada por: Super-Homem, Caçadora, Aço, Batman, Homem-Borracha, Oráculo, Aquaman, Zauriel, Flash (Wally West), Mulher-Maravilha, Órion, Grande Barda e Lanterna Verde (Kyle Rayner).

Na trama, o General Wade Eiling preocupado com a Liga da Justiça agir protegendo o mundo todo e não apenas o território americano.

Criou a Tropa Ultramarine, uma equipe militar de elite que através de um projeto científico ganharam superpoderes.

Os soldados atravessaram um portal dimensional que lembrava muito aquele que foi mostrado no filme Stargate (1994).

A equipe dos Ultramarine era formada por: Bélico Um (Tenente-Coronel Scott Sawyer), 4-D (Capitã Lea Corbin), Fluido (Major Dan Stone) e Pulsato (Capitão John Wether).

Enquanto Weiling apresentava a nova equipe no fundo oceano o corpo de um antigo inimigo da Liga estava sendo roubado.

Tratava-se do Shaggy, um ser sintético enorme que tinha força descomunal e um fator de cura ilimitado (simplificando uma máquina de destruição implacável).

Arthur e Kyle foram enviados pra deter quem estava roubando, porém havia contra medidas prontas pra detê-los.

Logo depois do incidente, Super, Aço e Zauriel foram conversar com o presidente americano sobre os Ultramarines, no entanto devido há outros países fazerem o mesmo (criando super heróis patrióticos). O líder da Casa Branca não retrocedeu em sua decisão.

O detalhe importante é que o rosto do presidente daquela administração não é mostrado (não sei por qual motivo).

A Liga é convocada pra agir após uma “suposta” invasão alienígena estar ocorrendo em Fênix, no Arizona.

Alguns integrantes da equipe partem pro local, porém foi uma emboscada tramada por Eiling (pra testar sua tropa Ultramarine).

Isso nos leva a continuação desta história, “Terra Destruída” com arte e roteiro dos mesmos artistas citados no início do texto.

Wade ludibriou a todos forjando uma ordem presidencial pra que sua tropa medisse forças contra a Liga da Justiça.

Pulsato confronta Aço e Barda, 4-D enfrenta Diana, Fluido contra Arthur e Wally e Bélico Um ataca o Super-Homem. Aparentemente a Liga levou uma surra, mas a situação logo mudou.

Enquanto a luta estava rolando em Fênix, Batman, Caçadora e Homem-Borracha foram inspecionar a instalação do projeto militar que deu poderes aos Ultramarines.

Eles descobrem que Eiling estava morrendo e transferiu seu cérebro pro corpo do Shaggy.

Essa parte nos leva pra conclusão,”Em Pé de Guerra”, com argumento de Grant Morrison, arte de Mark Pajarillo.

Wade utiliza o corpo indestrutível de Shaggy se autointitulando o General (sua intenção é destruir a Liga para se tornar o grande salvador da pátria).

Lembrei que na série animada da Liga, Eiling fez algo surpreendente.  Foi no episódio “Ato Patriótico”, após descobrir que a equipe possuía um canhão de fusão binária, entrou pro Projeto Cadmus arranjando formas pra destruir a Liga.

O General injetou nele um soro de super soldado que lhe concedeu poderes incríveis que lembravam o Shaggy, pois sua aparência também está parecida com a desta edição.

Neste episódio, Sir Justin tem uma batalha memorável contra Wade quase morrendo, mas mesmo assim lutando com honra e bravura. Confesso que pra mim este é um dos melhores episódios da série animada da Liga.

Voltando, a Tropa Ultramarine estava notando que seus corpos não estavam bem. Na verdade a história contada por Wade era falsa.

Foram usados compostos de metagene que concedem superpoderes ao heróis pra que desenvolvessem suas habilidades (seus poderes iriam falhar e todos iriam morrer).

O Super-Homem através de um discurso dramático convence a equipe militar que estavam sendo usados pelo General.

Todos se unem pra detê-lo e como única solução, o General é mandado pro espaço pra onde não poderá ferir ninguém.

Como epílogo, a tropa militar monta uma cidade flutuando chamada de Soberba. Esse lugar servirá como sede pros heróis que quiserem agir sem jurisdição pra atuar no mundo inteiro.

O problema é que a Tropa Ultramarine Internacional irá executar terroristas, executivos corruptos e déspotas se for preciso.

Nem preciso comentar que a história ficou ótima, porque ainda deu margem pro desenho da Liga que se inspirou na atuação do Eiling. Mesmo sendo dividida em três partes a ação é bem rápida. O estilo de arte nos conecta a um desenho animado.

Só pra constar, há uma carta minha que foi publicada na seção “Ligação Direta” (lembro que fiquei pulando de alegria na época).

E pra fechar, a última aventura, “O Segredo”, com arte de Todd Nauch e argumento de Todd Dezago é com a Justiça Jovem.

Robin (Tim Drake), Impulso (Bart Allen) e Superboy (Conner Kent) estavam sendo interrogados pelo DOE (Departamento de Operações Extranormais).

Os garotos foram ajudar na prisão de uma criatura que havia sido solta, mas depois descobriram que se tratava de uma menina.

Desde de pequena ela havia sido feita refém pelo DOE e usada como cobaia em experimentos. Tanto ela, quanto outras crianças sofreram traumas terríveis nos laboratórios deles.

Os jovens heróis resolvem ajudar e mentem pros seus mentores e pra organização afim de proteger a moça.

Não é uma história sensacional, mas serve pra mostrar que os garotos são unidos e  agem como heróis auxiliando quem precisa.

Espero que tenha gostado.

 

Coleção DC 70 Anos – Segunda Parte

COLECAO_DC_70_ANOS

A terceira edição é dedicada a Guerreira Amazona. Bom, temos aquela história de origem com arte de H. G. Peter e roteiro de William M. Marston (criador da personagem).

Há outras aventuras da Era de Prata que não gostei muito e por isso nem vou  comentar.

Só pra constar, a introdução de Lynda Carter contando como foi interpretar a heroína é sensacional.

Mais confesso que a história “Quem Matou Mindy Mayer?” tem uma narrativa ótima.

Gostei demais quando li na primeira vez, porém a minha escolhida foi essa abaixo.

wonder-woman-286

Mulher-Maravilha – “Seja a Mulher-Maravilha… e Morra!”

Apresentando roteiro de Robert Kanigher e arte de Jose Delbo temos uma homenagem pra Jenette Khan e Len Wein que na época eram os editores da revista da personagem.

Aqui, conhecemos Amy Kelley uma atriz que desejava atuar no papel principal num filme sobre a Mulher-Maravilha.

Infelizmente, Amy havia descoberto que estava  com uma doença terminal restando-lhe apenas seis meses de vida.

Mesmo não tendo muita sorte em sua audiência ela continua usando a imagem da heroína pra tentar salvar o pessoal do estúdio que estava pegando fogo.

Enquanto isso, Diana havia visto o noticiário na telinha ficando perplexa ao saber de sua cópia fajuta. A heroína decide ir pro local salvando a todos. E ao descobrir a história da farsante decide deixar Amy levar a diante sua vontade.

Após ser descoberta e aclamada por sua coragem Kelley consegueo papel que tanto queria. Durante as filmagens a atriz fez praticamente quase todas as suas cenas, mas Amy passa mal e Diana assume em seu lugar.

Conseguindo frustar os planos do terrorista Konrad Kardion que havia guardado seus planos secretos no estúdio. Depois, Diana leva Amy pra ser tratada na Ilha Paraíso mais já era tarde demais (a atriz morre sendo enterrada lá).

Seu esforço não foi em vão, pois recebeu o Oscar de Melhor Atriz. A história me ganhou pelo aspecto humano, porque assim como Amy Kelley os heróis nos inspiram a sermos melhores como pessoas.

Seja ajudando ao próximo com trabalho voluntário, quando necessário ou servindo de exemplo de bondade, solidariedade e companheirismo.

Amy era uma mulher simples sabia que iria morrer, no entanto escolheu deixar sua marca no mundo servindo como exemplo pra outros.

Após notar esse detalhe mínimo detalhe importantíssimo afirmo que o roteiro de Robert Kanigher ficou sensacional.

Eu nunca havia visto o trabalho de Jose Delbo e apesar de não ter um nível excelente (achei melhor do que muito desenhista atual).

flash

Flash – “Deslocado no Tempo”

A quarta edição é dedicada ao Homem Mais Rápido do Mundo.

É impossível comentar sobre o velocista e deixar de constatar que o herói marcou a história dos quadrinhos pra sempre.

Primeiro com o surgimento de Jay Garrick, depois com o acréscimo de Barry Allen e finalmente concretizando com o Multiverso.

Podemos afirmar que o Multiverso surgiu e morreu com o Flash 2 (durante a crise oitentista), mas a Distinta Concorrente resolveu trazer a bagunça de volta.

O seriado com Grant Grustin trouxe vários elementos dos gibis como: universos paralelos, homenagem pro Flash 1, vilões clássicos (Flash Reverso, Grood, Capitão Frio entre outros), e até heróis secundários (Cigana, Vibro, Doutora Luz e etc, etc…). É muito detalhe pra prestarmos atenção.

Apesar de gostar muito do seriado, sua popularidade atinge até quem não é fã de gibis.

Pra mim parece que nessa terceira temporada os roteiros cairam muito. A trama está se arrastando. E podemos notar a enorme diferença mostrada no estilo Marvel/Netflix de temporadas curtas que deram uma guinada na forma de manter nosso interesse.

Continuando, fiquei pensando em qual aventura abordar principalmente, porque “Flash: Fato ou Ficção” homenageando Julius Schwartz me deixou muito intrigado.

Barry vem pro mundo real encontrando o mítico editor de suas histórias foi sensacional. Quem não gostaria de encontrar seu herói favorito pessoalmente?

Na minha época de moleque era doido pra conhecer Christopher Reeve, mas infelizmente o sonho acabou.

Voltando, a melhor situação foi Barry ter descoberto outra Terra no caso a nossa , passando a saber que em algum lugar sua vida não passa de ficção (isso foi o máximo).

Bom, chega de enrolação “Deslocado no Tempo” tem roteiro de Mark Waid e arte de  Mike Wieringo.

Nessa aventrura, o Flash 3 (Wally West) impede um roubo de carga numa ponte. Apesar de sua velocidade usou a fórmula de super poderes de Johnny Quick (velocista pai da Jesse Quick).

Afinal estava pensando que sua velocidade não era suficiente pro salvamento que iria fazer (desejando velocidade extra usou a tal fórmula).

Algo que o tornou tão veloz que tudo ao seu redor parecia que estava parado.

Isso me lembrou um desenho da Liga no qual a equipe enfrentou o Doutor Destino. O Flash tinha um pesadelo no qual só ele podia se mover enquanto todo mundo estava do mesmo jeito dessa história.

O episódio é sensacional, porque Batman tira onda com John Dee cantarolando uma musiquinha mentalmente (pra não cair no sono).

Continuando, perdido em reflexões, Wally recebe ajuda  de Max Mercúrio tendo uma conversa importantíssima sobre decisões e escolhas.

“Deslocado no Tempo” não é minha história preferida do Wally, mas justamente por ser veloz aprendeu a difícil lição que não pode estar em todos os lugares com pensava.

Outra coisa importante é que o roteiro de Mark Waid conta sobre a força de aceleração, fonte dos poderes de um velocista.

E arte de Mike Wieringo é estilizada e bem simples fazendo nossa atenção fluir pela história facilmente.

Fim da segunda parte e relembre aqui o texto anterior.

 

 

Liga da Justiça: Ano Um

Essa história foi lançada originalmente no gibi Os Melhores do Mundo 21 a 25, da Editora Abril, em 1999.

Pra quem gosta da equipe eis aqui uma ótima oportunidade de conhecê-la melhor.

O aspecto mais importante de Liga da Justiça: Ano Um é recontar sua origem retirando obviamente Superman, Batman e Mulher-Maravilha como membros fundadores (algo que já havia sido feito desde a Crise dos anos 80).

No entanto a origem da LJA já havia sido mostrada em Superalmanque DC 1 – Origens Secretas.

Justice League Year One tem argumento de Mark Waid & Brian Augustyn, arte de Barry Kitson e cores de Pat Garrahy.

Na formação reeditada temos: Flash 2 (Barry Allen), Caçador de Marte (J’onn J’onzz), Canário Negro 2 (Dinah Lance), Aquaman (Arthur Curry Jr.) e Lanterna Verde 2 (Hal Jordan).

Nossa aventura começa com a equipe lutando contra sete alienígenas que escolheram nosso mundo como campo de batalha. A intenção dos aliens era lutarem entre si pra descobrir quem iria comandar o mundo deles (mais se depararam com os heróis citados).

Após esse primeiro conflito todos da equipe ficam se perguntando se haverá algo pra que se juntem novamente.

Então vemos, Barry trabalhando no DPCC, Dinah ajudando sua mãe na floricultura, Aquaman tendo problemas de convívio entre “os seres da superfície”, Hal confiante demais e o detetive John Jones agindo pelas ruas de Middleton.

O problema começa quando a caverna na qual deixaram escondidas duas criaturas alienígenas foi invadida pela organização secreta Locus. Tal fato serviu como motivo pra que a Liga se torna-se de vez uma equipe.

Depois de perderem pra Liga o Locus contatou Vandal Savage que utiliza alguns vilões pra combater a equipe recém formada.

Quando a LJA estava formalmente se apresentando foram atacados pelos vilões Solomon Grundy, Eclipso, Espinho e Cara de Barro. Essa prova de fogo serviu pra saberem se a equipe iria realmente vingar ou ser destruída.

Sinceramente o que se destaca nessa aventura é notarmos como foi surgindo a amizade entre os integrantes do grupo.

É óbvio que havia bastante divergência, pois Arthur era introvertido (pensando que ninguém o compreendia), Hal era convencido pra caçamba (confiando apenas no poder do anel), Dinah (só falava na Sociedade da Justiça) e Ajax (tinha medo das pessoas não o aceitarem). É justamente esse aspecto intimista da personalidade deles que torna a história cativante.

Há outros momentos interessantes, pois o Locus também contrata A Irmandade Negra, um grupo de vilões formado por Cérebro, Monsieur Mallah e Madame Rouge (recebendo ajuda da Patrulha do Destino).

Os integrantes da Patrulha se sentem como se fossem desajeitados e excluídos, mas são heróis que pra mim mereciam uma atenção maior da editora.

Tanto a Patrulha quanto a Irmandade participaram da versão dos Jovens Titãs, de 2005.

Continuando, também vemos a aventura contra Starro, aquela estrela do mar imbecil sendo homenageada.

Quando a Liga enfrenta o baixinho Xotar, vulgo Mestre das Armas recebe ajuda do Super. Lembrei que na edição Super-Homem # 143 (o mesmo acontecimento é relembrado).

Temos, Super-Homem: Ano Um “Herói” com argumento de Louise Simonson e desenhos de John Paul Leon.

Retornamos pra época em que Lois e Clark eram rivais nas reportagens, pois ela ainda o detestava por ter conseguido uma exclusiva com o Homem de Aço.

Após deter o sequestro de um trem, Clark retorna pra redação e através dos noticiários encontra o Morcegão e os heróis que irão formar a Liga da Justiça.

Detendo Magpie no museu de Gotham (Batman), um satélite no espaço acima de Coast City (Lanterna Verde), agindo numa nevasca provocada pelo Mago do Tempo (Flash), um furacão provocado pela fúria do deus Netuno (Aquaman) e um incêncio num prédio (Ajax).

Depois o Azulão auxilia a Liga na luta contra Xotar que criou uma ilusão fazendo-os lutarem entre si.

É uma aventura muito simples servindo apenas pra conhecermos a LJA e o Homem de Aço no período que estavam iniciando. Nessa edição há acontecimentos que nos conectam a fase de John Byrne, pois Clark descobre sobre sua origem kriptoniana.

Voltando, outro momento importante é o QG da equipe que estava sendo contruído naquela caverna em Happy Harbor. Snapper Carr era o faz tudo, mas sua função principal era instalação elétrica e dos computadores.

Lembrando que Snapper aparece no desenho da Liga como repórter e também no seriado da Supergirl. Interpretado por Ian Gomez, trabalha como editor-chefe da Catco Maganize (um baixinho chato e arrogante pra dedéu).

Continuando, só que o problema com o Locus ainda não havia terminado, porque a organização tinha seus próprios planos. Através do trabalho do Dr. Ivo e do Dr. TOMORROW ambos vilões geneticistas.

Fizeram experiências e construíram um exército enorme de criaturas usando o DNA alienígena.

A confusão só piorou, pois secretamente Ajax estava disfarçado conhecendo melhor cada integrante da equipe (e fazendo arquivos detalhados sobre os heróis da Liga).

Mais o plano de dominação mundial do Locus tornou-se mais fácil quando se apoderaram dos arquivos do Caçador tendo acesso aos nomes de todos os heróis que foram capturados.

Como se tudo isso ainda não fosse ruim havia um oitavo alien que estava planejando uma invasão pra derrotar os heróis.

A Liga consegue libertar todos os heróis cativos na Ilha dos Falcões Negros, porém a ameça é tão grande que somente a união de todos poderão salvar o mundo.

Pra mim a história em si já era boa, porém com a inclusão dos personagens: Os Combatentes da Liberdade, Guardiões Globais, Sociedade da Justiça, Homem-Animal entre vários outros foi uma diversão total.

Devido ao esforço e união da Liga conseguiram deter a invasão alienígena.

Liga da Justiça Ano Um é uma edição pra ser lida e relida quantas vezes você quiser, pois é empolgante contando em detalhes como ressurgiu a equipe mais adorada dos quadrinhos.

Só pra fechar anos depois a história foi relançada na Coleção Eaglemoss.

Espero que tenham gostado.

 

 

DC: A Nova Fronteira

dc_new_frontier

É uma edição em que Darwyn Cooke trabalhou tanto com a arte, quanto no roteiro.

DC: A Nova Fronteira (DC: The New Frontier) foi lançada nos Estados Unidos como uma minissérie divida em 6 partes.

Aqui nós acompanhamos a história reunida em duas edições ambas com mais de 200 páginas.

Na trama vemos acontecer um momento histórico não só dos gibis época convencionada como Era de Prata, mas do mundo como a Guerra Fria.

Período no qual os States e a União Soviética estavam travando uma intensa corrida espacial.

Nossa aventura começa logo após a Segunda Guerra Mundial devido ao medo do comunismo o governo americano realiza uma verdadeira caça as bruxas.

O clima de perseguição ficou ainda pior, pois as autoridades declararam que os heróis deveriam retirar suas máscaras. Revelando suas identidades secretas para que não fossem declarados traidores (e por consequência foras-da-lei).

A Sociedade da Justiça veio a público ficando contra tal decisão e abandonando a vida heroica e assim a grande maioria dos heróis fizeram o mesmo.

Vemos a trindade agindo cada um á sua maneira, pois Superman e Mulher-Maravilha estavam na ativa realizando incursões no campo inimigo sob comando do governo americano. Enquanto, Batman agia sozinho como vigilante sombrio.

No entanto o clima de paranóia só aumentou após o governo descobrir que havia um marciano vivendo escondido no país. A verdade é que o Caçador de Marte veio pra Terra contra sua vontade tendo que sobreviver com medo. Mais também descobrindo a cultura dos americanos seja sob sua identidade de John Jones, assistindo TV ou indo ao cinema.

Após a Guerra da Coréia vemos Hal Jordan procurando um significado maior pra sua vida, Os Desafiadores do Desconhecido viajando pelo mundo em busca de aventuras, a desilusão do Flash que enfrentou aquela loucura fazendo de tudo pra ser apenas ele mesmo.

Até o Esquadrão Suicida agindo de forma intrépida para proteger a vida comum dos cidadãos americanos.

Além da ameaça nuclear, desrespeito aos direitos civis, censura à liberdade de expressão, violência e perseguição política (havia um outro problema surgindo).

O Centro, uma ameaça monstruosa que emitia sons telepáticos. Só pra piorar o nível de destruição dele pode chegar ao universo inteiro. O monstro é tão gigantesco que há outras criaturas que se assemelham a dinossauros dentro da criatura.

Somente a união de todos os heróis será necessária pra que a humanidade não sucumba.

A edição é tão rica de participação demonstrando diversos heróis do segundo escalão da editora como: Os Perdedores, Demônios do Mar, Falcões Negros, Príncipe Viking, Slam Bradley, King Faraday entre outros.

DC: A Nova Fronteira é uma edição excelente, porque o roteiro conectando acontecimentos históricos importantes unindo a perspectiva da narrativa intimista dos personagens torna essa obra única.

Nem preciso comentar da arte de Darwyn Cooke que consegue resgatar com maestria essa época.

E acrescento também o trabalho das cores de Dave Stewart apresentando contrastes, brilho e tons sombrios que tornam nossa viagem pela história muito aprazível.

Merecidamente a edição ganhou os prêmios Eisner, Harvey e Shuster (as mais importantes da indústria de gibis americanas).

Então, afirmo depois que você ler essa história nunca mais irá esquecê-la.

justice-league-the-new-frontier

Liga da Justiça: A Nova Fronteira – Justice League: New Frontier – 2008

A animação em DVD foi a segunda adaptação lançada pela DC Comics sendo que sua classificação é PG-13, pois apresenta conteúdo violento.

Na abertura do DVD temos algumas cenas mostradas em estilo minimalista como: a perseguição aos heróis encapuzados, a desistência da Sociedade da Justiça, morte do Homem-Hora I (Rex Tyler) e origem do Flash II (Barry Allen). Fatos que ajudam na introdução da trama.

Pra mim o mais complicado nessa adaptação é o que seria deixado de fora de algo tão mínimamente detalhado no gibi.

Sinceramente foi uma tarefa ingrata não mostrar Os Perdedores e o peso dramático que representa na narrativa. Ainda houve uma reunião que alguns personagens místicos entre os quais estão: Zatanna, Vingador Fantasma, Billy Batson, Doutor Destino e Espectro.

Eles debatem se irão entrar na batalha ou deixar que os outros heróis decidam o sucesso ou a derrota da humanidade.

A passagem da lenda de John Wilson em sua luta solitária contra o racismo também foi mostrado (só que de forma sutil). Não há realmente uma confirmação se Henry existiu ou se sua história é apenas um mito. Mais essa figura incrível serviu de inspiração pro herói Aço (nos quadrinhos é descendente dele).

Lembro que a Disney fez uma ótima animação homenageando o lendário John Henry. Foi apresentada por James Earl Jones (famoso por emprestar sua voz pro vilão Darth Vader). Só pra constar no gibi John trocou seu sobrenome de Wilson pra Henry.

Continuando, é por isso que os leitores reclamam quando um livro é adaptado pra telona, pois algumas passagens significativas são perdidas (mas deixa pra lá).

Pra compensar outros momentos importantes foram mostrados e pra mim isso foi o grande acerto da animação deixando a Trindade de lado e focar em seus coadjuvantes.

Seja mostrando a origem do Lanterna Verde, a determinação de King Faraday que forjou um certo nível de amizade com Ajax, a inocência perdida do Flash e a personalidade marcante de Carol Ferris.

Só por diversão vemos a Mulher-Maravilha esculachando o Escoteiro Azul (é estranho notar que Diana é mais alta que Kal).

Batman mudando de herói sombrio, suavizando sua imagem e adotando um parceiro mirim (tanto na edição, quanto no DVD vemos o Batmóvel da década de 50). Também notei que a amizade entre Kal e Bruce lembra o antigo gibi World’s Finnest.

Liga da Justiça: A Nova Fronteira mostra cenários detalhadíssimos, apresenta uma história adaptada na medida certa, há um roteiro dramático, momentos de ação impressionantes e uma arte que respeita o design de Darwyn Cooke.

Continuo a afirmar que mesmo tendo cortado diversas cenas é a melhor reinterpretação de uma época.

É óbvio que o clima de conspiração, intolerância, paranóia e o sentimento de conspiração que fez o governo perseguir seus heróis e cidadãos foi mantido.

Aqui vemos os acontecimentos que culminaram no surgimento da Liga da Justiça (terminando nos anos 60 quando estão enfrentando Starro).

É uma história de heroismo, coragem e lealdade numa época em que o mundo vivia com medo de uma guerra nuclear.

Mesmo que você já tenha visto vale a pena assistir de novo apreciando cada momento desta aventura emocionante do início ao fim, pois há as origens dos heróis que gostamos.

Mais vemos em seu contexto clássico original sem nenhuma firula ou baboseira como estão tentando fazer atualmente nesses reboots.

Pra fechar outro aspecto importante da dublagem brasileira são as vozes dos atores que integram a série animada da Liga (tornando nossa viagem ainda melhor).

Espero que tenham gostado.

 

Os Maiores Super-Heróis do Mundo – Última Parte

justice_league_secret-origins

Os Maiores Super-Heróis do Mundo – Última Parte

Liga da Justiça: Origens Secretas – JLA: Secrets Origins

Nesta aventura temos relatos das pessoas contando como foram salvas pelos heróis da equipe.

Como nas introduções anteriores aqui temos origens de outros heróis que compõe a Liga da Justiça.

Vemos, Barry Allen que numa noite tempestuosa, um raio caiu em seu laboratório transformando-o no Flash. Sua história tem tonalidade vermelha (e há uma homenagem pra primeira edição do Joel Ciclone).

Com, Hal Jordan é mostrada a mitologia da Tropa, os Guardiões de Oa, o juramento e o momento em que Abin Sur lhe convocou deixando-lhe seu anel de poder pra tornar-se um Lanterna Verde. Sua história tem tonalidade verde (dããããã! Roxa é que não daria pra ser).

Já a história do Arthur mostra o enlace de seus pais, a descoberta dos poderes marinhos e a procura por sua identidade na Atlântida até tornar-se rei (sua tonalidade é azul).

Depois temos J’onn J’onzz com o Doutor Erdel transportando-o pra cá, seu aprendizado dos costumes terrestres, agindo secretamente como detetive John Jones e também como herói sempre que necessário.

Apesar de morar entre nós o Caçador de Marte se mantém sozinho apenas acompanhando a humanidade (acho isso muito triste e a tonalidade de sua história é vermelha).

Há também Oliver Queen o milionário que naufragou numa ilha, teve que manejar arco e flecha pra sobreviver e ao voltar pra cidade decidiu usar seu aprendizado na vida heroica.

Adotou Ricardito, ingressou na Liga, sua luta pessoal pelos direitos civis e sua parceria com a Canário Negro (sua tonalidade obviamente é verde).

A história de Katar Hol e Shayera Thal começa no distante planeta Thanagar, pois ambos são policiais que vem pra Terra caçando um criminoso. Depois da missão cumprida Carter e Shiera Hall decidem trabalhar num museu adotando os codinomes de Gavião Negro e Mulher-Gavião (a tonalidade da aventura é marrom).

O cientista Ray Palmer descobre uma estrela anã. Devido ao seu estudo de alteração de tamanho, Ray construiu um uniforme especial pra controlar tal efeito sempre que a necessidade lhe convier.

Eléktron decidiu tornar-se combatente do crime e também ingressou na Liga. O que gosto no herói além de sua inteligência é o fato que pode surfar pelos impulsos elétricos do telefone e os mundos subatômicos que visita.

Em várias aventuras da equipe é somente com a intervenção do Eléktron que conseguem resolver algum problema (sua tonalidade é azul).

Com Enguia O’Brien o assunto fica muito engraçado, pois essa é sua principal característica. A origem de ladrão que sofre acidente químico que lhe concede poderes elásticos foi mostrada até em Batman: Os Bravos e Destemidos.

O Homem-Borracha pode se transformar em qualquer coisa que lhe der na telha e seu senso de humor irreverente o torna um dos heróis mais legais de todos que já vi. Pena que seja pouco aproveitado, porque o Máskara é uma cópia descarada sua (a tonalidade de sua história é vermelha).

Por último temos a introdução da Liga original e com o passar do anos outros integrantes vieram pras fileiras da equipe. Sendo que Adam Strange, Zatanna, Metamorfo, Homem-Elástico, Vingador Fantasma e Tornado Vermelho são mostrados (e o Satélite dos anos 70 é homenageado).

jla_liberty_and_justice

LJA: Liberdade e Justiça – JLA: Liberty and Justice

Logo no início há um salvamento de avião feito pelo Ajax, Flash intervem num assalto a banco e Aquaman salva baleias de serem mortas. Assim que o marciano pousa o avião, Diana pede pra convocar a Liga em caráter de urgência.

Alguns membros da equipe vão pro Pentágono sabendo que há uma doença contagiosa se propagando na África.

Dinate do problema enorme a equipe debate se deve intervir na situação. Então, Diana deixa Ajax, Jordan e Barry irem avaliar a extensão do problema. Enquanto o Caçador está pensando vemos algumas histórias antigas da Liga sendo homenageadas.

Ao chegarem na África descobrem que um vírus alienígena está infectando a população local. A doença deixa a mente das pessoas funcionando, mas seu corpo é privado das funções motoras.

Quando o Flash estava levando o vírus pro Batman achar uma cura foi infectado pela doença. Ajax estava protegendo os aldeões de serem mortos, no entanto quase sucumbiu com eles.

Na Batcaverna, Bruce mesmo sendo inteligente não conseguiu avaliar o vírus. A situação muda somente através de Eléktron que foi injetado na corrente sanguínea de Barry.

A notícia da doença se espalha e o mundo inteiro entrou em pânico. Pra piorar a Liga da Justiça leva a culpa pela propagação da doença que recebe o nome de Superpraga.

A histeria coletiva transformou-se em guerra civil, pois as pessoas assustadas estavam saqueando e quebrando lojas, supermercados entre outros tipos de violência.

Kal, Diana e Bruce decidem que a equipe precisa de reforços pra conter o caos. Então,  Metamorfo, os Gaviões, Zatanna, Homem-Elástico, Tornado Vermelho, Arqueiro, Canário e Homem-Borracha são convocados pra ajudar.

Agindo pra conter o tumulto em vários lugares dos Estados Unidos. Os noticiários sensacionalistas mostravam uma Liga vingativa, mas não era verdade.

Contra sua vontade tiveram que usar força pra conter a população (quando é normal agirem assim contra os vilões).

Depois do Lanterna Verde e o Flash mandarem o vírus pro espaço. A Liga convoca uma reunião extraordinária na ONU.

Ajax como orador explica pra todos o que aconteceu pedindo pra que as pessoas continuem mantendo a confiança na equipe. Sempre quando precisarem a LJA estará pronta pra auxiliar a humanidade.

LJA: Liberdade e Justiça é uma história ótima, pois de todas as abordagens lidas essa foi uma das mais realistas dentro do universo fantástico que geralmente vemos com a equipe.

Obviamente a aventura ainda está sob o estilo super-heróis devido a confiança na Liga ter sido abalada. E principalmente, porque tinham que lhe dar com duas ameaças graves.

Só pra constar a revista Wizard americana lançou uma notícia falsa sobre uma história com os Supergêmeos “Formulário da Água”. Na sinopse os irmão usariam seus poderes pra salvar Gleek, o animal de estimação deles acabando com uma seca.

Nesse link vocês podem encontrar todas as edições desta aventura que comentei.

Espero que tenham gostado. Revejam aqui a segunda parte.

 

A Era de Ouro

jsa-golden-age

Essa clássica edição tem roteiro de James Robinson, arte de Paul Smith e cores de Richard Ory.

Só pra constar, A Era de Ouro (ou The Golden Age, no original) foi uma minissérie dividida em quatro edições, sendo lançada pela Editora Metal Pesado, em 1998.

Não sei explicar por qual motivo, mas essa aventura faz parte do Túnel do Tempo (Elseworlds).

A trama acontece durante os anos 40 quando surgiram várias das lendas do quadrinhos que estão perambulando até hoje (e outros heróis que ficaram perdidos no tempo).

Aliás o principal foco desta narrativa é se concentrar em personagens do segundo e terceiro escalão que estão praticamente esquecidos atualmente ou apenas são mostrados de vez em quando em alguma grande saga.

Deixaram de fora a Trindade da DC Comics, mas confesso até que não fizeram falta alguma.

Quando lemos que o advento do Homem do Amanhã influenciou o surgimento de vários heróis não é a toa, pois aqui temos uma prova consistente da extensa quantidade desses personagens.

Infelizmente A Era de Ouro nunca foi relançada num encadernado, pois sua trama merece ser lida numa tacada só.

A trama acontece logo após a Segunda Guerra Mundial e somos introduzidos no clima de desconfiança que havia durante aquele período. Os heróis haviam retornado pra suas vidas normais, porém havia uma caça as bruxas promovida pelo Marcatismo.

Aqueles que escondiam sua identidade sob uma máscara eram vistos como comunistas e perseguidos como inimigos da América.

Nesse medo surgiu Tex Thompson (Mr. América), um herói que ao retornar da guerra na Europa tornou-se senador. Através da aclamação do povo criou um novo super-herói com os avanços tecnológicos de seu tempo o Homem-Dínamo (Daniel Dunbar).

Daniel era Dan, O Dinamite e se eu não me engano T.N.T, era o parceiro-mirim do herói. Dunbar recebeu poderes através de uma explosão nuclear que possibilitaram se “igualar” ao Azulão.

A situação era tão estranha que até  Johnny Trovoada e o Átomo (Al Pratt) estavam apoioando Thompson (somente o Homem Robô tinha um aspecto assustador).

No entanto o que ninguém desconfiava era que havia um plano sinistro de dominição orquestrado por Thompson e Paul Kirk, O Caçador iria contar (ele havia sofrido torturas terríveis durante a guerra).

Essa aventura é envolvente por mostrar que a vida de super-herói não era tão glamourosa como a maioria pensa.

Johnny Chambers (Johnny Quick) tinha problemas com sua ex-esposa Jesse Chambers (Liberty Belle). Ela estava morando com o Tarântula.

O Homem-Hora (Rex Tyler) tornou-se um viciado em suas pílulas Miraclo que possiblitavam torná-lo um super-herói por apenas uma hora.

Continuando, os pesos pesados na história também tinham seus problemas, tanto Alan Scott (Lanterna Verde) que está reticente quanto ao uso de seus poderes, quanto Ted Knigth (Starman) internado num sanatório, pois ficou mentalmente instável por causa de seus estudos terem sidos usados na criação da bomba atômica.

Gostaria de acrescentar que no mundo real aconteceu algo semelhante, pois Santos Dumont ficou decepcionado quando o avião foi usado na Primeira Guerra. Outro assunto pertinente foi quanto ao uso da Bomba Atômica, pois Albert Einstein também ficara chateado quando isso aconteceu.

Continuando, somente a revelação que Tex Thompson era o principal inimigo fez a Sociedade da Justiça, Os Combatentes da Liberdade e outros heróis se unirem pra enfrenta-lo.

Um detalhe muito importante foi revelado nesta edição. É que antigamente eu sempre afirmava que os super-heróis não entraram na guerra, por causa da Lança do Destino, um artefato místico usado por Hitler que anulava poderes.

Na verdade quem deixava os heróis sem força era Percival (Otto Frenz), um herói alemão que podia cancelar qualquer superpoder.

Acho que nem preciso comentar que A Era de Ouro é uma história fantástica seja por causa dos acontecimentos vistos ou pela enorme quantidade de heróis envolvidos.

Quero destacar também a arte de Paul Smith que ficou ainda melhor com as cores de Richard Ory que devido aos tons escuros aliada ao roteiro deixou a trama bastante sombria.

O roteiro de James Robinson pegou uma história real conectando-a ao universo dos super-heróis. Isso tudo nos traz uma trama repleta de conflitos emocionais que suponho tenham realmente acontecido durante aquele período de Guerra Fria.

Nossa aventura chega ao final homenageando alguns heróis queridos nossos que surgiram durante a Era de Prata como: Aquaman, Flash 2, Lanterna Verde, Caçador de Marte, Eléktron e Homem-Elástico.

Temos heróis menos conhecidos como: Capitão Cometa (que age de maneira importante na aventura), Adam Strange, Doutor Oculto, Patrulha do Destino, Desafiadores do Desconhecido entre outros.

Fico por aqui.