Coleção DC 70 Anos

superman___alex_ross

Quando a empresa atingiu a marca de sete décadas de publicações lançou gibis com seu melhores ícones.

Então foram 6 edições abordando As Maiores Histórias do Superman, Lanterna Verde, Mulher-Maravilha, Flash, Liga da Justiça e Batman.

Obviamente são aventuras dos personagens que abordam a Era de Ouro, Prata, Bronze e Moderna.

É importante notarmos que as histórias lançadas são as mais influentes de cada período citado servindo pra termos uma ideia da evolução dos heróis a cada década.

Bom, ao invés de comentar cada uma das revistas (algo que sempre faço). Desta vez vou apenas falar de uma aventura que me impressionou bastante.

As capas de todas as edições tem arte de Alex Ross dando mais destaque pra cada uma delas.

Chega de enrolação e vamos ao que interessa

jim-steranko

Superman – “O Exílio á Beira da Eternidade”

A primeira edição é dedicada ao Azulão mostrando momentos importantes como sua origem, funcionamento dos poderes, a versão de John Byrne, Os Últimos Dias do Superman e Olho por Olho que já fiz comentários há um tempo atrás.

Aqui temos roteiro e arte de Jim Steranko, um dos mais renomados desenhistas dos gibis de todos os tempos.

Na trama estamos no futuro, pois havia vinte mil anos que o Superman havia morrido. Seu legado foi honrado por seus descendentes e até uma constelação foi batizada com seu nome heroico.

Com o auxílio deles a humanidade desbravou o espaço colonizando milhares de planetas. Através dos séculos e milênios os descendentes de Kal evoluíram e se modificaram.

Paralelamente a tecnologia desenvolvida pelo homem atingiu seu ápice, mas nem tudo era perfeito nessa sociedade utópica (havia política, guerras, cobiça e mortes).

Pra piorar numa estação mineradora com robôs autômatos classificou de maneira errada uma chuva de meteoros como ameaça. Em retaliação detonaram armas tão poderosas que rasgaram o tecido da realidade causando um colapso que estava destruindo tudo no universo.

A explosão voraz fazia planetas e sistemas solares sumirem e a notícia se espalhou rapidamente. A Irmandade Superman foi convocada pra resolver o problema e pra solucioná-lo foi proposto algo extraordinário.

Toda a humanidade seria convertida em seres de luz, porém alguém deveria ficar pra lançar essa enrgia no vórtice devorador.

O único que se apresentou foi A’dam’ Mkent, um Superman deficiente visual. Ao realizar essa façanha monumental de salvar o universo, A’dam ficou sozinho e vagando por muito tempo, muito tempo (chegando até a enlouquecer por causa disso).

Bom, nem preciso contar que a arte psicodélica de Jim Steranko me deixou alucinado (confesso que virei fã só por causa dela).

O Exílio á Beira da Eternidade é uma aventura que vale a pena viajar em sua leitura. Principalmente, porque me surpreendeu pelos aspectos futuristas apresentados e lembrando o arrebatamento bíblico (entre outras coisas). Não vou comentar o final pra não estragar a surpresa de quem quiser ler.

green-lantern

Lanterna Verde – “Vôo”

A segunda edição é dedicada ao Homem de Verde mais famoso da Tropa.

Vou deixar de fora “S.O.S Lanterna Verde” que é a história de origem , “O Mal Sucumbirá Ante Minha Presença” (introdução de John Stewart) e Velocidade da Luz, pois também já comentei.             

Antes de mais nada eu fiquei muito tentado em falar sobre “O Herói do Amanhã” que homenageia tanto Alan Scott quanto Hal Jordan.

Há vários elementos clássicos da mitologia de ambos mostrando Tom Kalmaku, Jade, Os Guardiões de Oa e até o chato do Krona.

Mais “Vôo” com arte de Darwyn Cooke e roteiro de Geoff Johns me pegou de surpresa.

Em relação a história anterior que citei posso afirmar que é bem simples, porém o fato importante é que mostra o fascínio de voar.

Algo que sinceramente é muito estranho, pois os heróis voam pra qualquer lugar com seu anel energético. O que nos conecta nessa aventura é a realidade que nós podemos voar de avião e apreciar o mundo lá de cima (algo que nunca fiz, mas sonho realizar futuramente).

Na trama, Harold Jordan é um aficcionado por aviões desde pequeno, principlamente, porque seu pai Martin é piloto de avião. Houve um período que todos os dias antes de ir pra escola Hal sumia pra ver seu pai voando.

Isso se tornou uma grave peocupação pra sua mãe e motivo de orgulho do pai é lógico. Só que transformou-se um problema quando o menino revelou pra eles que esse era o seu maior desejo.

Então, numa noite, Martin o leva pra voar escondido sendo um acontecimento inesquecível pro jovem Jordan. Marcando-o pra vida toda e a melhor parte nessa história é vermos o tempo passando e Hal levando no mesmo lugar Carol Ferris e Kyle Rayner.

Nesses anos todos que passaram a únca coisa constante é a presença de Johnny, na entrada do hangar transformando a aventura em algo pessoal (já que conhecia Jordan desde garotinho).

Essa passagem de tempo e o sentimento de vida particular tornam “Vôo” uma história singular conectando aquilo que nos faz ser nós mesmos. E nem preciso comentar sobre Darwyn Cooke e Geoff Johns, pois a carreira de ambos já fala por si só.

Espero que tenham gostado.

 

 

Anúncios

Liga da Justiça: Ano Um

Essa história foi lançada originalmente no gibi Os Melhores do Mundo 21 a 25, da Editora Abril, em 1999.

Pra quem gosta da equipe eis aqui uma ótima oportunidade de conhecê-la melhor.

O aspecto mais importante de Liga da Justiça: Ano Um é recontar sua origem retirando obviamente Superman, Batman e Mulher-Maravilha como membros fundadores (algo que já havia sido feito desde a Crise dos anos 80).

No entanto a origem da LJA já havia sido mostrada em Superalmanque DC 1 – Origens Secretas.

Justice League Year One tem argumento de Mark Waid & Brian Augustyn, arte de Barry Kitson e cores de Pat Garrahy.

Na formação reeditada temos: Flash 2 (Barry Allen), Caçador de Marte (J’onn J’onzz), Canário Negro 2 (Dinah Lance), Aquaman (Arthur Curry Jr.) e Lanterna Verde 2 (Hal Jordan).

Nossa aventura começa com a equipe lutando contra sete alienígenas que escolheram nosso mundo como campo de batalha. A intenção dos aliens era lutarem entre si pra descobrir quem iria comandar o mundo deles (mais se depararam com os heróis citados).

Após esse primeiro conflito todos da equipe ficam se perguntando se haverá algo pra que se juntem novamente.

Então vemos, Barry trabalhando no DPCC, Dinah ajudando sua mãe na floricultura, Aquaman tendo problemas de convívio entre “os seres da superfície”, Hal confiante demais e o detetive John Jones agindo pelas ruas de Middleton.

O problema começa quando a caverna na qual deixaram escondidas duas criaturas alienígenas foi invadida pela organização secreta Locus. Tal fato serviu como motivo pra que a Liga se torna-se de vez uma equipe.

Depois de perderem pra Liga o Locus contatou Vandal Savage que utiliza alguns vilões pra combater a equipe recém formada.

Quando a LJA estava formalmente se apresentando foram atacados pelos vilões Solomon Grundy, Eclipso, Espinho e Cara de Barro. Essa prova de fogo serviu pra saberem se a equipe iria realmente vingar ou ser destruída.

Sinceramente o que se destaca nessa aventura é notarmos como foi surgindo a amizade entre os integrantes do grupo.

É óbvio que havia bastante divergência, pois Arthur era introvertido (pensando que ninguém o compreendia), Hal era convencido pra caçamba (confiando apenas no poder do anel), Dinah (só falava na Sociedade da Justiça) e Ajax (tinha medo das pessoas não o aceitarem). É justamente esse aspecto intimista da personalidade deles que torna a história cativante.

Há outros momentos interessantes, pois o Locus também contrata A Irmandade Negra, um grupo de vilões formado por Cérebro, Monsieur Mallah e Madame Rouge (recebendo ajuda da Patrulha do Destino).

Os integrantes da Patrulha se sentem como se fossem desajeitados e excluídos, mas são heróis que pra mim mereciam uma atenção maior da editora.

Tanto a Patrulha quanto a Irmandade participaram da versão dos Jovens Titãs, de 2005.

Continuando, também vemos a aventura contra Starro, aquela estrela do mar imbecil sendo homenageada.

Quando a Liga enfrenta o baixinho Xotar, vulgo Mestre das Armas recebe ajuda do Super. Lembrei que na edição Super-Homem # 143 (o mesmo acontecimento é relembrado).

Temos, Super-Homem: Ano Um “Herói” com argumento de Louise Simonson e desenhos de John Paul Leon.

Retornamos pra época em que Lois e Clark eram rivais nas reportagens, pois ela ainda o detestava por ter conseguido uma exclusiva com o Homem de Aço.

Após deter o sequestro de um trem, Clark retorna pra redação e através dos noticiários encontra o Morcegão e os heróis que irão formar a Liga da Justiça.

Detendo Magpie no museu de Gotham (Batman), um satélite no espaço acima de Coast City (Lanterna Verde), agindo numa nevasca provocada pelo Mago do Tempo (Flash), um furacão provocado pela fúria do deus Netuno (Aquaman) e um incêncio num prédio (Ajax).

Depois o Azulão auxilia a Liga na luta contra Xotar que criou uma ilusão fazendo-os lutarem entre si.

É uma aventura muito simples servindo apenas pra conhecermos a LJA e o Homem de Aço no período que estavam iniciando. Nessa edição há acontecimentos que nos conectam a fase de John Byrne, pois Clark descobre sobre sua origem kriptoniana.

Voltando, outro momento importante é o QG da equipe que estava sendo contruído naquela caverna em Happy Harbor. Snapper Carr era o faz tudo, mas sua função principal era instalação elétrica e dos computadores.

Lembrando que Snapper aparece no desenho da Liga como repórter e também no seriado da Supergirl. Interpretado por Ian Gomez, trabalha como editor-chefe da Catco Maganize (um baixinho chato e arrogante pra dedéu).

Continuando, só que o problema com o Locus ainda não havia terminado, porque a organização tinha seus próprios planos. Através do trabalho do Dr. Ivo e do Dr. TOMORROW ambos vilões geneticistas.

Fizeram experiências e construíram um exército enorme de criaturas usando o DNA alienígena.

A confusão só piorou, pois secretamente Ajax estava disfarçado conhecendo melhor cada integrante da equipe (e fazendo arquivos detalhados sobre os heróis da Liga).

Mais o plano de dominação mundial do Locus tornou-se mais fácil quando se apoderaram dos arquivos do Caçador tendo acesso aos nomes de todos os heróis que foram capturados.

Como se tudo isso ainda não fosse ruim havia um oitavo alien que estava planejando uma invasão pra derrotar os heróis.

A Liga consegue libertar todos os heróis cativos na Ilha dos Falcões Negros, porém a ameça é tão grande que somente a união de todos poderão salvar o mundo.

Pra mim a história em si já era boa, porém com a inclusão dos personagens: Os Combatentes da Liberdade, Guardiões Globais, Sociedade da Justiça, Homem-Animal entre vários outros foi uma diversão total.

Devido ao esforço e união da Liga conseguiram deter a invasão alienígena.

Liga da Justiça Ano Um é uma edição pra ser lida e relida quantas vezes você quiser, pois é empolgante contando em detalhes como ressurgiu a equipe mais adorada dos quadrinhos.

Só pra fechar anos depois a história foi relançada na Coleção Eaglemoss.

Espero que tenham gostado.

 

 

Imagens

z

Mulher-Maravilha

É uma das minhas heroínas preferidas dos gibis e tem uma popularidade incrível.

Logo estaremos assistindo ao seu filme de origem nas telonas. A princípio ninguém gostou da escolha de Gal Gadot pra interpretá-la, porém sua aparição em Batman vs Superman deu um gás de esperança pra todos.

Só que houveram até boatos de que o filme seria ruim e a diretora Patty Jenkins correu imediatamente pra dar explicações.

Por enquanto podemos dizer que o trailer mostrado está bom mais pra piorar BvsS está cotadíssimo pra receber o prêmio Framboesa de Ouro. Um tipo de Oscar que premia as piores categorias: filme, ator principal e coadjuvante, atriz mesma que no masc., roteiro, diretor entre outras coisas mais.

Vamos esperar pra conferir e pra mim a adaptação ficou fracona, principalmente por dar destaque pro Morcegão sendo que o filme era do Super.

Felizmente já foi confirmado que haverá Homem de Aço 2 e que Henry Cavill irá retornar pro papel. Eu adoraria que Zack Snyder não fosse cotado pra diretor, mas parece que é querer demais.

Continuando, o grande problema da DC são os executivos da Warner que não tem visão de porcaria nenhuma e querem apenas conseguir verdinhas com o licenciamento de merchandising.

Mudando de assunto o desenho DC Super Hero Girls mostra as aventuras de Diana, Supergirl, Batgirl, Abelha, Katana entre outras personagens da editora.

Acompanhamos a vida das heroínas em aventuras curtas dentro da Super Hero High School. Aonde além de assistir aulas, devem aprender sobre seus poderes e também lhe dar com os tipos diferentes de personalidades.

Amanda Waller é a diretora da escola e temos a presença de vários personagens conhecidos como: Lanterna Verde, Mutano, Nuclear, Flash, Tornado Vermelho entre outros.

As confusões geralmente são aprontadas pela Arlequina e também pela Mulher-Leopardo. O conteúdo dos desenhos são mais leves destinado pra meninas entre 6 e 12 anos.

É uma chance de renovar o público focando nelas que estão acompanhando bastante esse universo que tanto adoramos. Só pra constar, a empresa Mattel lançou uma linha de brinquedos e actions figures desta versão.

Bom, no desenho Justice League Action podemos notar que a equipe ficou muito diferente da versão do Bruce Timm.

Eu confesso que sou fã de BT e sei que são novos tempos querem arranjar uma nova quantidade de fãs e bibibi e bobobo.

Já, Justice League Action está centrado na trindade Superman, Mulher-Maravilha e Batman temos um entrosamento maior entre os heróis dando chance até pra algumas piadinhas e o relacionamento entre Kal e Diana que surgiu durante os Novos 52 foi mantido.

Há também bastante cenas de ação e os personagens foram redesenhados ficando mais simples pra ajudar nas cenas de humor.

Deixo pra essa nova geração apreciar esse desenho, pois a Liga anterior de BT era mil vezes melhor e isso não há como negar nunca, pois é inesquecível pra mim.

No ano passado a Guerreira Amazona fez 75 anos e ao longo destas décadas teve diversas histórias, porém a versão de George Pérez pra mim foi uma das melhores e mais marcantes.

Recentemente seu passado foi reescrito, pois Diana agora é uma semideusa, filha de Zeus com a Rainha Hipólita.

Durante a década de 60, Diana perdeu seus poderes, tendo que adaptar-se aprendeu artes marciais e se tornou dona de uma loja (essa fase ficou famosíssima).

Lembro que na década de 90, Diana perdeu o manto pra Ártemis é uma das amazonas perdidas que que migraram pro Egito. Ela é descendente de Antíope, irmã de Hipólita (e sua tribo é Bana-Mighdall).

Quando a Rainha teve uma visão do futuro viu Diana morrendo e guardando esse segredo. Decidiu intervir afirmando que Diana não servia mais pra ser embaixadora no Patriarcado.

Houve um novo torneio das amazonas, mas Artemis só venceu através de uma artimanha de Hipólita que pediu a feiticeira Magala que conjurasse um feitiço pra ajudá-la.

Artemis tornou-se a nova Mulher-Maravilha recebendo o mesmo uniforme de sua antecessora (o laço da verdade, sandália de Hermes. tendo problemas devido a seu temperamento violento.

A fim de melhorar sua imagem contratou uma empresa de relações públicas. E realmente decidida a mudar estava ajudando imigrantes oprimidos e mulheres que sofreram abuso sexual. Só que secretamente a empresa era comandada pelo vilão Mago Branco e Artemis morreu combatendo-o.

Nessa época, Diana até mudou de uniforme usando um bustiê e bermuda pretos com uma jaquetinha azul. A mudança de uniforme causou polêmica, foi um assunto muito discutido em 2010 e acho que ainda continua sendo, mas colocaram uma calça na personagem (dando um visual bem diferente).

Eu até era contra, porém na verdade independente do modelo usado pra heroína espero que mantenham ótimas histórias pra que nós possamos acompanhar.

Outro fato quase desconhecido dos leitores é que além de Donna Troy, Diana também tem outra irmã.

Núbia é uma Mulher-Maravilha afro-descendente e foi a primeira heroína negra dos quadrinhos. Tem os mesmos poderes que sua irmã, no entanto Núbia foi raptada quando criança e quando retornou teve um confronto com Diana.

Tudo não passava de um ardil do deus Ares mais com o passar do tempo a personagem foi jogada no limbo.

Só pra constar, na série animada Os Joven Titãs em Ação teve um episódio no qual a equipe foi pra Sala da Justiça. Quero acrescentar que a Sala é uma lembrança agradável da molecada que assistiu ao desenho dos Super Amigos (eu sou um deles).

Continuando, na intenção de fugirem acabam entrando no local dos uniformes da Liga e vemos Robin de Batman, Cyborg de Lanterna Verde, Estelar de Flash, Mutano de Ajax e Ravena de Mulher-Maravilha.

É óbvio que aprontaram grandes confusões tendo que salvar a Liga de Darkseid em Apokolips, mas coisas ruins sempre acontecem com eles.

E temos outro momento marcante quando Vic voa ao redor do planeta (lembrando o clássico Super-Homem: O Filme, de 1978).

É um dos raros episódios desta versão dos Titãs que eu gosto de ver, porque na maioria das vezes o humor deles é tão louco que chegar a ser chato.

Pra fechar, quando a heroína fez 75 anos no passado foi admitida como embaixadora honorária da ONU, mas essa indicação teve problemas. O fato é que estão implicando por causa das pin-ups sensuais que são feitas da personagem.

E que seria melhor que colocassem uma pessoa de verdade. Eu até concordo mais seria melhor se nem tivessem indicado. Só que já fizeram isso e destituí-la do cargo seria uma forçada de barra ridícula.

É inegável que a Mulher-Maravilha serve de inspiração pra milhares de moças, mulheres e meninas ao redor do mundo inteiro e retirá-la de sua nomeação seria uma bobagem grandíssima.

O fato de existirem diversas pin-ups da heroína vai de encontro ao princípio de direito de liberdade de expressão que tanto os americanos apregoam.

A heroína tem diversas representação através da décadas. Confira na galeria abaixo algumas imagens da Mulher-Maravilha que garimpei na web

DC: A Nova Fronteira

dc_new_frontier

É uma edição em que Darwyn Cooke trabalhou tanto com a arte, quanto no roteiro.

DC: A Nova Fronteira (DC: The New Frontier) foi lançada nos Estados Unidos como uma minissérie divida em 6 partes.

Aqui nós acompanhamos a história reunida em duas edições ambas com mais de 200 páginas.

Na trama vemos acontecer um momento histórico não só dos gibis época convencionada como Era de Prata, mas do mundo como a Guerra Fria.

Período no qual os States e a União Soviética estavam travando uma intensa corrida espacial.

Nossa aventura começa logo após a Segunda Guerra Mundial devido ao medo do comunismo o governo americano realiza uma verdadeira caça as bruxas.

O clima de perseguição ficou ainda pior, pois as autoridades declararam que os heróis deveriam retirar suas máscaras. Revelando suas identidades secretas para que não fossem declarados traidores (e por consequência foras-da-lei).

A Sociedade da Justiça veio a público ficando contra tal decisão e abandonando a vida heroica e assim a grande maioria dos heróis fizeram o mesmo.

Vemos a trindade agindo cada um á sua maneira, pois Superman e Mulher-Maravilha estavam na ativa realizando incursões no campo inimigo sob comando do governo americano. Enquanto, Batman agia sozinho como vigilante sombrio.

No entanto o clima de paranóia só aumentou após o governo descobrir que havia um marciano vivendo escondido no país. A verdade é que o Caçador de Marte veio pra Terra contra sua vontade tendo que sobreviver com medo. Mais também descobrindo a cultura dos americanos seja sob sua identidade de John Jones, assistindo TV ou indo ao cinema.

Após a Guerra da Coréia vemos Hal Jordan procurando um significado maior pra sua vida, Os Desafiadores do Desconhecido viajando pelo mundo em busca de aventuras, a desilusão do Flash que enfrentou aquela loucura fazendo de tudo pra ser apenas ele mesmo.

Até o Esquadrão Suicida agindo de forma intrépida para proteger a vida comum dos cidadãos americanos.

Além da ameaça nuclear, desrespeito aos direitos civis, censura à liberdade de expressão, violência e perseguição política (havia um outro problema surgindo).

O Centro, uma ameaça monstruosa que emitia sons telepáticos. Só pra piorar o nível de destruição dele pode chegar ao universo inteiro. O monstro é tão gigantesco que há outras criaturas que se assemelham a dinossauros dentro da criatura.

Somente a união de todos os heróis será necessária pra que a humanidade não sucumba.

A edição é tão rica de participação demonstrando diversos heróis do segundo escalão da editora como: Os Perdedores, Demônios do Mar, Falcões Negros, Príncipe Viking, Slam Bradley, King Faraday entre outros.

DC: A Nova Fronteira é uma edição excelente, porque o roteiro conectando acontecimentos históricos importantes unindo a perspectiva da narrativa intimista dos personagens torna essa obra única.

Nem preciso comentar da arte de Darwyn Cooke que consegue resgatar com maestria essa época.

E acrescento também o trabalho das cores de Dave Stewart apresentando contrastes, brilho e tons sombrios que tornam nossa viagem pela história muito aprazível.

Merecidamente a edição ganhou os prêmios Eisner, Harvey e Shuster (as mais importantes da indústria de gibis americanas).

Então, afirmo depois que você ler essa história nunca mais irá esquecê-la.

justice-league-the-new-frontier

Liga da Justiça: A Nova Fronteira – Justice League: New Frontier – 2008

A animação em DVD foi a segunda adaptação lançada pela DC Comics sendo que sua classificação é PG-13, pois apresenta conteúdo violento.

Na abertura do DVD temos algumas cenas mostradas em estilo minimalista como: a perseguição aos heróis encapuzados, a desistência da Sociedade da Justiça, morte do Homem-Hora I (Rex Tyler) e origem do Flash II (Barry Allen). Fatos que ajudam na introdução da trama.

Pra mim o mais complicado nessa adaptação é o que seria deixado de fora de algo tão mínimamente detalhado no gibi.

Sinceramente foi uma tarefa ingrata não mostrar Os Perdedores e o peso dramático que representa na narrativa. Ainda houve uma reunião que alguns personagens místicos entre os quais estão: Zatanna, Vingador Fantasma, Billy Batson, Doutor Destino e Espectro.

Eles debatem se irão entrar na batalha ou deixar que os outros heróis decidam o sucesso ou a derrota da humanidade.

A passagem da lenda de John Wilson em sua luta solitária contra o racismo também foi mostrado (só que de forma sutil). Não há realmente uma confirmação se Henry existiu ou se sua história é apenas um mito. Mais essa figura incrível serviu de inspiração pro herói Aço (nos quadrinhos é descendente dele).

Lembro que a Disney fez uma ótima animação homenageando o lendário John Henry. Foi apresentada por James Earl Jones (famoso por emprestar sua voz pro vilão Darth Vader). Só pra constar no gibi John trocou seu sobrenome de Wilson pra Henry.

Continuando, é por isso que os leitores reclamam quando um livro é adaptado pra telona, pois algumas passagens significativas são perdidas (mas deixa pra lá).

Pra compensar outros momentos importantes foram mostrados e pra mim isso foi o grande acerto da animação deixando a Trindade de lado e focar em seus coadjuvantes.

Seja mostrando a origem do Lanterna Verde, a determinação de King Faraday que forjou um certo nível de amizade com Ajax, a inocência perdida do Flash e a personalidade marcante de Carol Ferris.

Só por diversão vemos a Mulher-Maravilha esculachando o Escoteiro Azul (é estranho notar que Diana é mais alta que Kal).

Batman mudando de herói sombrio, suavizando sua imagem e adotando um parceiro mirim (tanto na edição, quanto no DVD vemos o Batmóvel da década de 50). Também notei que a amizade entre Kal e Bruce lembra o antigo gibi World’s Finnest.

Liga da Justiça: A Nova Fronteira mostra cenários detalhadíssimos, apresenta uma história adaptada na medida certa, há um roteiro dramático, momentos de ação impressionantes e uma arte que respeita o design de Darwyn Cooke.

Continuo a afirmar que mesmo tendo cortado diversas cenas é a melhor reinterpretação de uma época.

É óbvio que o clima de conspiração, intolerância, paranóia e o sentimento de conspiração que fez o governo perseguir seus heróis e cidadãos foi mantido.

Aqui vemos os acontecimentos que culminaram no surgimento da Liga da Justiça (terminando nos anos 60 quando estão enfrentando Starro).

É uma história de heroismo, coragem e lealdade numa época em que o mundo vivia com medo de uma guerra nuclear.

Mesmo que você já tenha visto vale a pena assistir de novo apreciando cada momento desta aventura emocionante do início ao fim, pois há as origens dos heróis que gostamos.

Mais vemos em seu contexto clássico original sem nenhuma firula ou baboseira como estão tentando fazer atualmente nesses reboots.

Pra fechar outro aspecto importante da dublagem brasileira são as vozes dos atores que integram a série animada da Liga (tornando nossa viagem ainda melhor).

Espero que tenham gostado.

 

Os Maiores Super-Heróis do Mundo – Última Parte

justice_league_secret-origins

Os Maiores Super-Heróis do Mundo – Última Parte

Liga da Justiça: Origens Secretas – JLA: Secrets Origins

Nesta aventura temos relatos das pessoas contando como foram salvas pelos heróis da equipe.

Como nas introduções anteriores aqui temos origens de outros heróis que compõe a Liga da Justiça.

Vemos, Barry Allen que numa noite tempestuosa, um raio caiu em seu laboratório transformando-o no Flash. Sua história tem tonalidade vermelha (e há uma homenagem pra primeira edição do Joel Ciclone).

Com, Hal Jordan é mostrada a mitologia da Tropa, os Guardiões de Oa, o juramento e o momento em que Abin Sur lhe convocou deixando-lhe seu anel de poder pra tornar-se um Lanterna Verde. Sua história tem tonalidade verde (dããããã! Roxa é que não daria pra ser).

Já a história do Arthur mostra o enlace de seus pais, a descoberta dos poderes marinhos e a procura por sua identidade na Atlântida até tornar-se rei (sua tonalidade é azul).

Depois temos J’onn J’onzz com o Doutor Erdel transportando-o pra cá, seu aprendizado dos costumes terrestres, agindo secretamente como detetive John Jones e também como herói sempre que necessário.

Apesar de morar entre nós o Caçador de Marte se mantém sozinho apenas acompanhando a humanidade (acho isso muito triste e a tonalidade de sua história é vermelha).

Há também Oliver Queen o milionário que naufragou numa ilha, teve que manejar arco e flecha pra sobreviver e ao voltar pra cidade decidiu usar seu aprendizado na vida heroica.

Adotou Ricardito, ingressou na Liga, sua luta pessoal pelos direitos civis e sua parceria com a Canário Negro (sua tonalidade obviamente é verde).

A história de Katar Hol e Shayera Thal começa no distante planeta Thanagar, pois ambos são policiais que vem pra Terra caçando um criminoso. Depois da missão cumprida Carter e Shiera Hall decidem trabalhar num museu adotando os codinomes de Gavião Negro e Mulher-Gavião (a tonalidade da aventura é marrom).

O cientista Ray Palmer descobre uma estrela anã. Devido ao seu estudo de alteração de tamanho, Ray construiu um uniforme especial pra controlar tal efeito sempre que a necessidade lhe convier.

Eléktron decidiu tornar-se combatente do crime e também ingressou na Liga. O que gosto no herói além de sua inteligência é o fato que pode surfar pelos impulsos elétricos do telefone e os mundos subatômicos que visita.

Em várias aventuras da equipe é somente com a intervenção do Eléktron que conseguem resolver algum problema (sua tonalidade é azul).

Com Enguia O’Brien o assunto fica muito engraçado, pois essa é sua principal característica. A origem de ladrão que sofre acidente químico que lhe concede poderes elásticos foi mostrada até em Batman: Os Bravos e Destemidos.

O Homem-Borracha pode se transformar em qualquer coisa que lhe der na telha e seu senso de humor irreverente o torna um dos heróis mais legais de todos que já vi. Pena que seja pouco aproveitado, porque o Máskara é uma cópia descarada sua (a tonalidade de sua história é vermelha).

Por último temos a introdução da Liga original e com o passar do anos outros integrantes vieram pras fileiras da equipe. Sendo que Adam Strange, Zatanna, Metamorfo, Homem-Elástico, Vingador Fantasma e Tornado Vermelho são mostrados (e o Satélite dos anos 70 é homenageado).

jla_liberty_and_justice

LJA: Liberdade e Justiça – JLA: Liberty and Justice

Logo no início há um salvamento de avião feito pelo Ajax, Flash intervem num assalto a banco e Aquaman salva baleias de serem mortas. Assim que o marciano pousa o avião, Diana pede pra convocar a Liga em caráter de urgência.

Alguns membros da equipe vão pro Pentágono sabendo que há uma doença contagiosa se propagando na África.

Dinate do problema enorme a equipe debate se deve intervir na situação. Então, Diana deixa Ajax, Jordan e Barry irem avaliar a extensão do problema. Enquanto o Caçador está pensando vemos algumas histórias antigas da Liga sendo homenageadas.

Ao chegarem na África descobrem que um vírus alienígena está infectando a população local. A doença deixa a mente das pessoas funcionando, mas seu corpo é privado das funções motoras.

Quando o Flash estava levando o vírus pro Batman achar uma cura foi infectado pela doença. Ajax estava protegendo os aldeões de serem mortos, no entanto quase sucumbiu com eles.

Na Batcaverna, Bruce mesmo sendo inteligente não conseguiu avaliar o vírus. A situação muda somente através de Eléktron que foi injetado na corrente sanguínea de Barry.

A notícia da doença se espalha e o mundo inteiro entrou em pânico. Pra piorar a Liga da Justiça leva a culpa pela propagação da doença que recebe o nome de Superpraga.

A histeria coletiva transformou-se em guerra civil, pois as pessoas assustadas estavam saqueando e quebrando lojas, supermercados entre outros tipos de violência.

Kal, Diana e Bruce decidem que a equipe precisa de reforços pra conter o caos. Então,  Metamorfo, os Gaviões, Zatanna, Homem-Elástico, Tornado Vermelho, Arqueiro, Canário e Homem-Borracha são convocados pra ajudar.

Agindo pra conter o tumulto em vários lugares dos Estados Unidos. Os noticiários sensacionalistas mostravam uma Liga vingativa, mas não era verdade.

Contra sua vontade tiveram que usar força pra conter a população (quando é normal agirem assim contra os vilões).

Depois do Lanterna Verde e o Flash mandarem o vírus pro espaço. A Liga convoca uma reunião extraordinária na ONU.

Ajax como orador explica pra todos o que aconteceu pedindo pra que as pessoas continuem mantendo a confiança na equipe. Sempre quando precisarem a LJA estará pronta pra auxiliar a humanidade.

LJA: Liberdade e Justiça é uma história ótima, pois de todas as abordagens lidas essa foi uma das mais realistas dentro do universo fantástico que geralmente vemos com a equipe.

Obviamente a aventura ainda está sob o estilo super-heróis devido a confiança na Liga ter sido abalada. E principalmente, porque tinham que lhe dar com duas ameaças graves.

Só pra constar a revista Wizard americana lançou uma notícia falsa sobre uma história com os Supergêmeos “Formulário da Água”. Na sinopse os irmão usariam seus poderes pra salvar Gleek, o animal de estimação deles acabando com uma seca.

Nesse link vocês podem encontrar todas as edições desta aventura que comentei.

Espero que tenham gostado. Revejam aqui a segunda parte.

 

Os Maiores Super-Heróis do Mundo

supermanpeaceonearth

Há alguns anos atrás o artista Alex Ross e o roteirista Paul Dini trabalharam juntos em edições num formato gigante.

Bom, nem preciso comentar que Alex Ross é um dos meu desenhistas preferidos, mas fiz assim mesmo. Obviamente por causa da qualidade detalhista de sua arte que exprime um tom de realidade insuperável.

Enquanto Paul Dini é reconhecido por diversos trabalhos tanto nos gibis, quanto em séries animadas que assistimos na telinha.

E só pra constar essas edições que comento abaixo foram lançadas pela Editora Abril, no ano 2000 (em diante).

superman-peace-on-earth

Superman: Paz na Terra – Superman: Peace on Earth

Na trama temos a introdução da origem de Kal-El. É importante salientar que a educação dada por Jonathan foi essencial pra criar a moral e bons costumes que Superman exibe como exemplo.

Estamos na época do Natal e o herói leva um árvore pra comemoração que acontece anualmente em Nova York. O sentimento marcado por este período nos faz ter uma consideração pelo próximo.

Após salvar uma moça que quase morreu por desnutrição. O herói se volta pra fome mundial e pensando em realmente ajudar um pouco. Resolve ir numa reunião da ONU pra ser mais atuante nessa questão.

É claro que sua atitude foi vista com desconfiança, mas resolveram deixá-lo ajudar.

Após reunir milhares de toneladas de alimento o Super começa sua árdua tarefa de distribuição ao redor do mundo. Pensando que estava ajudando a manter esperança pros necessitados o herói vou pelos Estados Unidos. África, Índia, Leste Europeu, Rio de Janeiro e diversos outros países.

Mais houveram problemas como uma floresta incendiada pelo calor e o Homem de Aço tendo que conter uma manada de animais desesperados fugindo, um ditador tirano que quis se aproveitar pra continuar subjugando a população. O déspota mandou atirar no povo pra intimidar o herói que conseguiu impedir um massacre.

A atitude do Superman é louvável, mas esbarra na própria mesquinharia da humanidade. Se em algumas localidades o Azulão era bem visto em outros países suas intenções são rechaçadas com mísseis e canhões.

Podemos notar que o ódio, a raiva e o medo sensações tão inerentes a nós atrapalham uma iniciativa de tornar o mundo um lugar mais aceitável pra sobreviver.

O Superman se frustra por não poder fazer aquilo que Jonathan lhe ensinou (usar seus poderes pra auxiliar a todos que necessitam dele).

Eis aqui o maior diferencial do roteiro de Paul Dini desta história, porque o Azulão apesar de todo seu imenso poder. Lá no fundo de sua alma sabe que é apenas “humano” e que sozinho nunca poderá mudar a iniquidade que presenciou ao redor do mundo.

Sinceramente levando pro lado mais realista possível dada a proposta do enredo. Mesmo não querendo admitir é impossível não pensar que os americanos se consideram os salvadores do mundo. Essa abordagem mostra que nem todos estão afim de aceitar tal possibilidade.

batman-war-on-crime

Batman: Guerra ao Crime – Batman: War on Crime

Nessa história Paul Dini agradece a Alan Burnett e temos uma homenagem pra Bill Finger (co-criador do herói).

A edição do Homem-Morcego também se inicia com sua origem. A perda trágica dos pais, o juramento de vingança e seu árduo treinamento físico e mental para tornar-se um combatente do crime.

Estamos cansados de saber que Batman não tem poder nenhum, mas consegue instilar medo nos criminosos (esse é o seu grande trunfo).

O Morcegão defende Gotham City agindo pelas sombras. Geralmente as pessoas acham que o herói é uma lenda urbana (acreditando que não exista).

Além de proteger as ruas da cidade, Batman se disfarça de Bruce Wayne e no meio da alta sociedade busca informações necessárias pra sua verdadeira identidade.

Quando Randall Winters propõe um enorme investimento industrial numa área em que o herói protege. É através do empresário que Bruce pensa no homem que poderia ter se tornado (algo que o incomoda).

Naquela noite, Batman age no bairro e ouve tiros agindo rápido consegue prender o ladrão, porém o pior já havia acontecido. Os pais do garoto Marcus que eram donos de uma loja de conveniência haviam sido assassinados.

A tragédia que aconteceu com Marcus fez Bruce reviver seu passado vendo no garoto um reflexo de si mesmo.

Utilizando seus métodos furtivos, Batman age tomando conta de Marcus. Seja avaliando a situação decadente na qual o bairro de encontra. Ou se deparando com uma gangue e ao detê-los encontra Marcus novamente.

Bruce pensa como estaria se não tivesse uma herança abastada pra ajudá-lo em sua vida? E o que seria dele sem a presença protetora de Alfred?

A visão do rosto assustado de Marcus não sai de seus pensamentos. Devido a tragédia ocorrida com o menino, Batman continua protegendo a baía, principalmente por causa de Winters.

Numa de suas investidas é através de um dono de clube que Batman consegue a informação que precisa. Então noite após noite o Morcegão combate diversos crimes no bairro transformando-se num protetor infatigável.

Num outro turno de vigilância o herói vai até uma fábrica de papel abandonada que está sendo usada na produção de drogas. Como sempre agindo rápido e sorrateiramente o Cavaleiro das Trevas destrói o lugar (arrebentando os traficantes). Mais uma vez, Marcus estava no local, pegando uma arma mira na direção do Homem-Morcego.

É quando Bruce abre sua guarda confessando ao menino seu passado, mas que isso sirva de aditivo pra se tornar alguém melhor (o garoto comovido abraça-o).

Mesmo não obtendo grandes lucros com seu investimento na baía, Bruce resolve ajudar a população local trazendo trabalho. E também colocando Winters na justiça por causa de seus empreendimentos escusos.

Batman: Guerra ao Crime é uma edição que mostra a verdadeira face de Bruce Wayne, pois a tragédia que matou seus pais. Marcou-o definitivamente, mas a convivência com Alfred e Leslie Thompkins fez dele um ser humano capaz de estender a mão ao próximo.

Sabendo que todos quando realmente querem são merecedores de uma segunda chance. Essa é uma daquelas raras ocasiões que presenciamos o aspecto humano de Bruce sendo mostrado de uma forma bem sincera.

Só pra constar na aventura do Azulão vemos muitas tonalidades claras influenciando o sentimento de esperança que o kriptoniano inspira.

Com Batman as cores que visualizamos estão mais escuras e sombrias, no entanto isso não quer dizer que a luz no final do túnel não deixará de existir. Também há muita esperança nas atitudes de Bruce Wayne e  isso é o que torna essa história marcante.

Fim da primeira parte.