Um Conto de Batman – Shaman

shaman

Esse gibi pertence ao título Legends of Dark Knight que foram edições do Morcegão lançadas de 1989 até 1997.

Nessa imensa lista que consta de Um Conto de Batman temos: Gotham City – 1889, Gothic, Acossado, Veneno, Duelo, AsasFaces, Devoção, Lâminas, Gangues, Estufa, Tao, De Volta à Sanidade, Criminosos, Lobisomem e Coma.

Um Conto de Batman – Shaman foi uma minissérie dividida em cinco partes lançada em 1991. A edição tem argumento de Dennis O’Neil, um dos mais importantes roteiristas do herói, desenhos de Edward Hannigan, arte-final de John Beatty e cores de Richmond Lewis.

O aspecto mais empolgante desta trama é estarmos novamente acompanhando o início das aventuras de Bruce Wayne como vigilante de Gotham.

Nossa história começa com Bruce que está no Norte do Alasca e pagou Willy Dodget, um exímio caçador de recompensas pra lhe ensinar seu modo de rastrear fugitivos.

Dodget procurava Thomas Woddley que estava mais acima na montanha e acertou um tiro na testa do caçador. Bruce consegue apenas se esconder e devido a um truque “sobrevive”, mas perdeu sua mochila e casaco ao lutar por sua vida contra Woodley.

Caminhando no frio sem proteção alguma ele desmaia. No entanto algum tempo depois ouve sobre “a lenda do morcego”, um antigo ritual indígena. Nela há o relato da cura do corvo através do rato que se torna morcego pra salvar seu amigo.

Essa lenda é um ritual de cura secreto mais Bruce fica intrigado com a história.

Shaman está conectada a Ano Um, pois há elementos na narrativa que explicam fatos importantes que foram deixados de lado na edição de Miller.

É na entrada do morcego pela janela unida a lenda indígena que ajuda Bruce na escolha do símbolo pra seu uniforme de combate ao crime.

Vemos também o relacionamento entre Alfred e Bruce sendo melhor demonstrado, pois foi Pennyworth quem confeccionou o uniforme do patrão. Seus comentários sarcásticos e cheios de ironia são o ponto alto da história.

Outra coisa que pude notar é que durante as patrulhas iniciais do Morcegão não havia Batmóvel e Alfred auxiliava com sua locomoção.

Minha impressão é que Alfred age como um Doutor Watson ajudando o herói a pensar na solução dos problemas.

Nessa edição, vemos a escolha da caverna como QG, porque a Mansão estava ficando pequena pra guardar seu equipamento.

A situação piora quando uma série de assassinatos começa a acontecer em Gotham. Um pouco antes, Bruce enviou o Dr. Spurlock, um pesquisador pra Other Ridge.

E descobre que os crimes estão relacionados com a tribo do Alasca devido aos rituais envolvidos neles.

Pra solucionar os crimes, Bruce decide usa-los como seu batismo de fogo pra saber se realmente deverá agir como Batman ou deixar essa ideia permanentemente esquecida.

Um Conto de Batman – Shaman é uma edição excelente, pois o roteiro de O’Neil destaca o lado detetivesco do herói. Sempre usando inteligência e astúcia pra descobrir o que precisa no caso.

Além da arte excelente de Ed Hannigan que demonstra vários detalhes de paisagens, expressões faciais e planos de enquadramento.

Complementando tudo estão as cores de Richmond Lewis geralmente em tons frios e escuros ajudando na ambientação da trama que ficou sombria e tétrica.

Shaman é uma daquelas raras edições do Morcegão que valem a pena ler cada página de sua aventura.

Espero que tenham gostado.

 

 

 

Anúncios